100 milhões de euros para duplicar Lionesa

O projeto tem como objetivo aumentar a atual área bruta locável para mais de 100 mil m2 até 2025 e, assim, acolher uma comunidade de mais de 10 mil pessoas.

A expansão, num projeto assinado pelo arquiteto António Leitão Barbosa, arranca ainda em 2017, mas “será a procura a ditar o ritmo de construção”, garante Pedro Pinto, administrador do centro empresarial, ao Jornal Económico.

Ou seja, numa lógica de “fato à medida”, as obras avançarão consoante os negócios fechados.
Revelador de uma filosofia “sexy e irreverente, com um espírito artístico e cultural”, o futuro centro empresarial procura clientes de qualquer setor de atividade, “que partilhem desta forma de estar e trabalhar”, sublinha o responsável. É neste contexto que se integra uma das grandes apostas, o desporto e lazer, disponibilizando oito campos de padel, um campo de ténis e dois campos de futebol. Destaque ainda para um corredor verde, projeto municipal, que fará a ligação entre a Lionesa e a zona costeira em Leça da Palmeira, fazendo assim a conexão dos Caminhos de Santiago.

Sobre a construção dos novos edifícios nos próximos anos, o sentido da progressão será a partir da Lionesa originária e no espaço contíguo à mesma. Estes serão da autoria de diferentes arquitetos, aportando assim uma nova identidade para o centro empresarial, sempre em harmonia com a envolvente. No que respeita à funcionalidade, nos novos edifícios estão incluídos um hotel, residências empresariais/universitárias e uma área dedicada ao empreendedorismo, bem como novas áreas de restauração, serviços e comércio.

Segundo Pedro Pinto, a aposta num hotel reflete a necessidade que muitas empresas já manifestam atualmente de poder ter alojamento de qualidade, com serviços adequados às suas especificidades e de acesso fácil à Lionesa. Esta será a resposta a todo este cenário, com muitos pormenores facilitadores, nomeadamente o serviço de transfer. “E tudo num ambiente privilegiado, de grande importância histórica”, reforça o responsável, referindo-se à zona junto ao Mosteiro de Leça do Balio, escolhida para instalar o hotel que está por concessionar.

Na reta final do projeto será construído um parqueamento – silo-auto – que restringirá quase totalmente a circulação automóvel, fomentando, assim, o circuito pedonal.

Está previsto ainda um novo sistema emblemático – um vai-e-vem suspenso por carril – como método de transporte individual, que fará as ligações entre as duas extremidades, reduzindo a distância para todos os trabalhadores.

O projeto de expansão da Lionesa inclui ainda a construção de uma torre, um edifício icónico de 25 pisos, que pretende romper com a horizontalidade que caracteriza o território envolvente e que, sendo o mais alto de Portugal se tornou “altamente atrativo e sexy”, garante Pedro Pinto, avaliando o impacto que este projeto já tem junto de potenciais clientes, que mostraram especial interesse por esta particularidade.

O centro empresarial da Lionesa nasceu em 2002 para dar vida a um espaço que foi outrora uma propriedade de indústria têxtil. Atualmente, tem uma taxa de ocupação de 98% e acolhe um movimento diário de quatro mil pessoas das mais de 110 empresas aqui sediadas, entre as quais a Farfetch, RH Mais (Contact Center da Vodafone), Hilti, Connor Internacional, 7 Graus, Kicks, Li & Fung, entre outras.

Artigo publicado na edição digital do Jornal Económico. Assine aqui para ter acesso aos nossos conteúdos em primeira mão.

Ler mais
Recomendadas

Três Dolce Vita colocados à venda por 15 milhões de euros

Em todos os casos, caso não hajam ofertas superiores ao valor mínimo, serão admitidas propostas mais baixas.

Savills fica responsável pela gestão do edifício Atlas III

Atlas III, em Miraflores, é o mais recente empreendimento sob a gestão da Savills.

Dona da Comporta estuda “projeto estratégico” a preços acessíveis no Parque das Nações

A Vanguard Properties quer construir três prédios no total, com o valor do investimento a rondar os 30 a 35 milhões de euros.
Comentários