3,5 milhões separam Ucrânia do gás russo

O Presidente ucraniano afirmou que Kiev e Moscovo não alcançaram um acordo para resolver o diferendo sobre o fornecimento de gás russo à Ucrânia, manifestando, porém, esperança de que os dois países vão encontrar uma solução em breve. Petro Poroshenko falava após um encontro bilateral com o Presidente russo, Vladimir Putin, num hotel no centro […]

O Presidente ucraniano afirmou que Kiev e Moscovo não alcançaram um acordo para resolver o diferendo sobre o fornecimento de gás russo à Ucrânia, manifestando, porém, esperança de que os dois países vão encontrar uma solução em breve.

Petro Poroshenko falava após um encontro bilateral com o Presidente russo, Vladimir Putin, num hotel no centro de Milão (norte de Itália).

“Não conseguimos alcançar um resultado prático sobre a questão do gás, mas temos esperança que vamos encontrar uma solução até 21 de outubro, data da reunião em Bruxelas entre a Ucrânia, Rússia e a Comissão Europeia”, afirmou o líder ucraniano, em declarações aos jornalistas.

Do lado russo, Vladimir Putin pediu à União Europeia (UE) para ajudar a Ucrânia a pagar a Moscovo a dívida relacionada com o fornecimento de gás, estimada em 3,5 milhões de euros.

“Esperamos que os nossos parceiros europeus, a Comissão Europeia, deem uma mão à Ucrânia e ajudem a solucionar este problema de défice de dinheiro”, referiu o chefe de Estado russo.

Putin assegurou que a Rússia não pode “correr mais riscos” nesta matéria, mencionando como possíveis instrumentos de ajuda financeira à Ucrânia a concessão de créditos por parte da UE, do Fundo Monetário Internacional (FMI) ou do Banco Mundial.

Esta foi a terceira reunião em menos de 12 horas entre Putin e Poroshenko, mas a única com carácter bilateral.

Os dois líderes já se tinham reunido anteriormente na presença do Presidente francês, François Hollande, e da chanceler alemã, Angela Merkel.

Ler mais
Recomendadas

“Que Deus abençoe a memória daqueles em Toledo”. Trump engana-se no nome da cidade do massacre no Ohio

O presidente norte-americano referiu-se referiu a Toledo, e não a Dayton, nas suas observações sobre um dos recentes massacres onde morreram nove pessoas e outras 27 ficaram feridas.

A “Casa de Papel” na vida real: Assalto à Casa da Moeda do México leva dos cofres 50 milhões em menos de 4 minutos

Os assaltantes conseguiram desarmar um guarda e furar todas as barreiras de segurança até chegarem ao cofre de segurança, que estaria aberto. Em menos de quatro minutos, o grupo de homens roubou e fugiu do edifício sem que a polícia tivesse sequer chegado.

Japão testa drones que transportam pessoas para diminuir o trânsito

Os responsáveis pelo projeto apontam que os drones tripulados poderão ser uma solução para combater o trânsito: “O Japão é um país com uma densidade populacional muito elevada, e como tal, carros voadores poderão ser a solução para diminuir o trânsito no país”.