A França foi a melhor e mais eficaz equipa do Mundial de futebol

A Croácia não estudou devidamente a final do último Europeu, ganho por Portugal. Preferiu a franqueza ao cinismo. Assumiu a posse de bola e deu espaço à França. A final teria tido outra qualidade, e mais equilíbrio, com a Bélgica ou o Brasil, as outras duas melhores equipas da prova

A França venceu bem o Mundial. Tem melhor equipa que a Croácia. Mais realista e eficaz. E a final mostrou como o “lado da morte” do quadro foi importante. Foi aí que se jogaram os jogos mais determinantes do torneio: o Brasil-Bélgica, primeiro; e o França-Bélgica, depois. Nesses jogos estiveram as três melhores equipas da prova, sem qualquer menosprezo pela boa campanha da equipa croata, liderada pela dupla Modric-Rakitic, que não ganhou qualquer jogo nos 90 minutos desde que começaram os oitavos-de-final. Ao contrário, nesse período, a França ganhou-os todos, para no final apresentar seis vitórias e um empate (0-0 com a Dinamarca na fase de grupos). A Bélgica, que mostrou a sua enorme qualidade na final de consolação, com a Inglaterra, fez seis vitórias e uma derrota (com a França).

A Croácia não estudou devidamente a final do último Europeu, ganho por Portugal. Preferiu a franqueza ao cinismo, a posse de bola em detrimento do prescindir da iniciativa (também porque não se sente tão à vontade na passagem defesa-ataque). Essa escolha, e os erros por ela influenciados, determinou a melhor opção de jogo para a França, equipa de jogadores experientes, contrastados e onde há Mbappé, o “fórmula 1” do futebol Mundial, um jovem com um potencial extraordinário que começou a ser lapidado por Leonardo Jardim, no Mónaco.

Não se pode dizer que a vitória da equipa de Deschamps – outro homem para a História do futebol com o seu estatuto de duplo campeão, como jogador e treinador – tenha sido particularmente brilhante ou para recordar, ao nível de outras no passado.

A França ganhou bem sendo eficaz e organizada. Tem um excelente guarda-redes, Lloris, que se permitiu assinar na final talvez o maior erro de um guarda-redes na prova, oferendo o 2-4 a Mandzukic; um defesa-direito, Pavard, que foi das maiores revelações do torneio; bons jogadores em todas as posições e os seus três mosqueteiros: Pogba (apesar de tudo o D’Artagnan desta história), mais Kanté, Griezmann e Mbappé. Até dá para ter um ponta-de-lança discreto (Giroud). Nesta final, Kanté sucumbiu ao cartão amarelo e ao desgaste físico do último mês – por isso foi substituído. A equipa não encanta, como a Bélgica, de De Bruyne e Eden Hazard, mas é coletivamente muito forte e organizada. Uma equipa difícil de vencer.

A Croácia foi demasiado romântica na abordagem ao jogo. Talvez por acreditar demasiado nas suas qualidades, por estes dias tão elogiadas globalmente, a equipa expôs-se a tomar conta do jogo, a competir e talvez a levar à letra as palavras finais da palestra que o treinador, Zlatko Dalic, anunciou publicamente: a de se divertirem. Não terá sido a melhor estratégia, até porque a retaguarda da equipa não é tão fiável como a francesa, como se viu.

Algumas notas sobre o Mundial:

1 – O VAR veio para ficar. É preciso, no entanto, uniformizar decisões, como no caso das faltas no princípio das jogadas de golo. Começou com a cotovelada de Diego Costa a Pepe e na final, na jogada do primeiro golo francês, também não pareceu existir uma falta, de Griezmann. No “penalty” de Perisic nada a dizer – foi! O grande erro do Mundial esteve no “penalty” evidente não assinalado contra a Rússia, que talvez tivesse permitido à Espanha um outro fôlego, nunca se sabe. Mas, por muito que alguns saudosistas da paróquia não gostem, o mundo não voltará para trás. E ainda bem. Hoje tudo é escrutinável e só há que acentuar esse caminho, melhorando tudo, sobretudo ao nível dos critérios dos árbitros.

2 – Modric é uma escolha aceitável para melhor jogador da prova, à frente de Eden Hazard e Griezmann . Menos polémica que a entrega do troféu a Messi, há quatro anos, no Brasil. Courtois é mesmo o melhor guarda-redes e Mbappé o melhor jovem – e até podia ter sido escolhido para mais do que isso…

3 – A prova, sempre que se fizerem os resumos históricos, lembrará a aceleração sobre-humana de Mbappé, no jogo com a Argentina; o maravilhoso contra-ataque da Bélgica, na parte final do jogo com a Inglaterra, bem defendido por Pickford; e, não é nacionalismo, a forma como Cristiano Ronaldo foi protagonista, com os seus três golos, no empate de Portugal com a Espanha.

4 – O Brasil tinha grandes argumentos e, na minha opinião, a equipa mais equilibrada. A falta de Casimiro foi muito sentida contra a Bélgica – mas esse era um dos jogos de tripla do Mundial. Nada a dizer, nem de Neymar, apesar das anedotas sobre as suas constantes quedas. A verdade é que é um jogador muito castigado mas isso faz parte de assumir sempre a posse da bola nas zonas mais proibidas.

5 – Finalmente, a Inglaterra apresentou uma equipa à altura. Muito jovem, tem espaço para crescer no panorama internacional nos próximos anos.

6 – O equilíbrio evidente tem a ver com a globalização e o conhecimento dos jogadores uns dos outros. A maior parte conhece-se de perto, frequenta as maiores Ligas da Europa e muitos integram, até, as mesmas equipas. Cada vez a competição parecerá ser mais aberta. Mas também continuará a ser definida nos pormenores e a favor das melhores equipas e dos seus grandes jogadores. Ou seja, se virmos bem, não houve tantas mudanças assim. A Bélgica fez de Holanda, a Croácia de Portugal, e no final ganhou uma das equipas do costume.

Recomendadas

Arranca hoje a corrida do FC Porto pela Champions de olho em encaixe de 44 milhões

Sérgio Conceição e os seus homens estão a, pelo menos, 360 minutos de distância de poderem engordar a conta bancária dos azuis e brancos de forma generosa. Este encaixe financeiro é visto como fundamental pela SAD portista. 

Benfica celebra parceria com Placard por três anos

O Sport Lisboa e Benfica acaba de celebrar uma parceria com o Placard.pt que, nos próximos três anos, será o patrocinador oficial de apostas desportivas do clube. Segundo um comunicado do clube da Luz, “o Placard.pt marcará presença relevante tanto no ‘site’ oficial, como nas várias plataformas digitais do Benfica, sendo que ambas as entidades […]

Estádio do Estrela da Amadora na Reboleira vai a leilão por seis milhões de euros

No decorrer de um processo de insolvência do Estrela da Amadora, foi fundado um novo clube, o Clube Desportivo Estrela, que usa as instalações da Reboleira.
Comentários