Ações nacionais geridas pelo Novo Banco dão 21% e lideram retornos em 2017

Fundo de investimento NB Portugal Ações liderou os ganhos no ano passado. Num ano em que o PSI 20 valorizou 15%, a aposta nos títulos portugueses foram os que mais compensaram.

Cristina Bernardo

No universo dos fundos de investimento mobiliário portugueses, a aposta em ações nacionais compensou em 2017, ano em que o PSI 20 valorizou mais de 15% e suplantou a generalidade das pares europeias. O fundo de investimento NB Portugal Ações, do grupo Novo Banco, liderou os ganhos, com um retorno de 21,2%.

Com 26,1 milhões de euros em ativos sob gestão, o GNB conseguiu assim o primeiro lugar no top 10 das melhores rendibilidades de Fundos de Investimento Mobiliário Nacionais, divulgado esta terça-feira pela Associação Portuguesa de Fundos de Investimento, Pensões e Patrimónios (APFIPP).

Os três lugares seguintes também pertencem à categoria de ações nacionais, com o Santander Acções Portugal a oferecer um retorno de 20,1%, o IMGA Ações Portugal 19,4% e o BPI Portugal 17,4%.

O quinto lugar pertente ao fundo NB Obrigações Europa, também do GNB, com um retorno de 15,2%, a que se segue o Caixagest Accões Portugal, que gere 32 milhões de euros de ações portuguesas e conseguiu um retorno de 14,1% e ainda o Montepio Euro Energy, que conseguiu uma rendibilidade de 10,9% com 3,7 milhões de euros em ações sectoriais.

A lista é fechada pelo fundo de ações da América do Norte, BPI América (9,6%), pelo fundo multi-ativos equilibrados BPI Universal (8,9%) e pelo fundo multi-ativos agressivos Multi Gestão Mercados Emergentes do Montepio (8,7%).

Relacionadas

Fusões e aquisições: Estas serão grandes tendências do mercado em 2018

O Jornal Económico ouviu os líderes na assessoria jurídica e financeira para medir o pulso ao mercado de Fusões e Aquisições (M&A). Advogados e banqueiros de investimento estão de acordo: 2017 foi particularmente positivo em termos de atividade e a tendência deverá manter-se este ano, embora as apostas em termos de setores com mais potencial não sejam consensuais.

Best investe na responsabilidade social com nova parceria com a UBS

O Banco Best vai tornar-se o distribuidor de 50 ETF da UBS Asset Management em Portugal, que pretendem reforçar a tendência global de aposta no ‘Socially Responsable Investment’.

BCP foi o título que mais pesou nas carteiras de fundos em fevereiro

O valor das aplicações em ações registou uma queda de 2,7% nas de emitentes nacionais e de 2,4% nas de emitentes estrangeiros. O BCP foi o título que mais pesou nas carteiras dos fundos, representando 11,8% do total, com um decréscimo mensal de 4,6%. Seguiram-se a Sonae SGPS, cujo valor nas carteiras dos fundos caiu 4,4%, e a Galp, que aumentou 13,2%.
Recomendadas

PSI 20 acompanha Europa em alta. Títulos do Grupo EDP impulsionam praça nacional

O principal índice bolsista português soma 0,46%, para 4.855,54 pontos.

Abrandamento da economia poderá ser entrave para Moody’s igualar as pares na avaliação de Portugal

A Moody’s tem agendada uma avaliação à notação da dívida soberana portuguesa esta sexta-feira. A agência poderá querer alinhar-se com a S&P e a Fitch através de uma subida de um grau para ‘Baa2’, mas as incertezas que estão a esfriar o crescimento da economia global poderão ser motivo para manter o ‘status quo’.

Acalmia cambial trouxe bons resultados em Wall Street

O índice tecnológico S&P, .SPL.RCT, que inclui empresas que têm uma maior exposição ao mercado chinês e estiveram no centro das vendas registadas na segunda-feira, foi aquele que mais valorizou nesta sessão, com um crescimento de 1,61%.
Comentários