Afinal, vamos ter Ronaldo na Juventus? Clube italiano joga ‘à defesa’

Vai ou não vai para Turim? Juventus foi obrigada a reagir em comunicado para esclarecer o ponto de situação na novela mais mediática do defeso futebolístico.

Com o mundo do futebol à espera da confirmação de que Cristiano Ronaldo deixa o Real Madrid e muda-se para Turim, o campeão italiano foi obrigado a emitir um comunicado no seu site oficial a explicar o que se passa com a contratação do ainda craque português do Real Madrid.

“Relativamente às notícias recentemente publicadas pela imprensa, a Juventus esclarece que, durante a campanha de transferências, o clube avalia muitas oportunidades de mercado e, se algum acordo for definido, o comunicado à imprensa será emitido em conformidade com os regulamentos.”, pode ler-se no comunicado emitido no site oficial da campeã italiana e que a edição online do jornal “Sol” reproduziu.

De acordo com a imprensa internacional, a formação transalpina oferece um contrato válido por quatro temporadas até 2022, com um ordenado anual de 30 milhões de euros, o que equivale no total a 120 milhões. De acordo com o programa de televisão espanhol “El Chiringuito”, o Real Madrid já terá aceite uma proposta de 100 milhões de euros por Cristiano Ronaldo.

Os 30 milhões anuais oferecidos pela Juventus superam em cinco milhões a última proposta feita pelo Real Madrid a Cristiano Ronaldo, no mês de fevereiro. A juntar a este facto podemos ainda acrescentar a publicidade, não fosse a família Agnelli proprietária da marca de automóveis FIAT, a gerir os destinos do clube italiano.

 

Recomendadas

Como a Indústria 4.0 pode ajudar a criar a fábrica do futuro

A fábrica do futuro é o centro de uma cadeia de distribuição que combina clientes, fornecedores, distribuidores e parceiros com sistemas analíticos avançados. Isso pode levar a uma “produção perfeita” com o mínimo de tempo de inatividade, negligência, desperdício e ineficiência.

Sustentabilidade no investimento: menos risco, mais valor

Reduzir a quantidade de plásticos descartáveis ou viajar de comboio são duas formas de reduzir a nossa pegada ecológica. E no investimento, o que podemos fazer para reforçar a sustentabilidade?
Comentários