Agenda interna é determinante

O presidente francês terá de se preocupar em manter a mão no muito jovem partido que o apoia. Para que as agendas pessoais não deitem tudo a perder.

Será talvez a agenda interna de Emmanuel Macron que irá determinar se o novo presidente francês é ou não capaz de atingir os objetivos que uma enorme expectativa depositou nos seus braços. Para já, o seu estado de graça é total: em apenas dez meses, conseguiu que um partido que na altura não existia fosse capaz de o levar à presidência e de engendrar uma assembleia previsivelmente maioritária.

Uma coisa com laivos de messianismo (se fosse em Portugal chamar-se-ia sebastianismo), que parece caro aos franceses: era essa aura que envolvia Dominique Strauss-Kahn antes de ele se perder debaixo de saias não autorizadas e em parte também François Hollande antes de a sua inépcia se declarar prevalecente.

Para António Costa Pinto, a agenda interna passa desde logo por “disciplinar o partido”, sob pena de não o ter na mão: a novidade é propícia ao aparecimento de agendas pessoais (vidé o caso de Manuel Valls) que podem fazer resvalar todo o edifício, ainda com o cimento a secar. Depois, há a necessidade da implementação de reformas estruturais – uma delas, a do mercado de trabalho, será com certeza a mais difícil e a mais dolorosa para os franceses, “que continuam a contar com sindicatos e outros grupos de interesses muito poderosos”. Numa palavra, “a França tem que restaurar a competitividade da sua economia”.

Em poucos meses se verá se Macron é ou não herdeiro da irredutibilidade que os gauleses gostam de propagandear como estando inscrita no seu ADN.

Recomendadas

“Que Deus abençoe a memória daqueles em Toledo”. Trump engana-se no nome da cidade do massacre no Ohio

O presidente norte-americano referiu-se referiu a Toledo, e não a Dayton, nas suas observações sobre um dos recentes massacres onde morreram nove pessoas e outras 27 ficaram feridas.

A “Casa de Papel” na vida real: Assalto à Casa da Moeda do México leva dos cofres 50 milhões em menos de 4 minutos

Os assaltantes conseguiram desarmar um guarda e furar todas as barreiras de segurança até chegarem ao cofre de segurança, que estaria aberto. Em menos de quatro minutos, o grupo de homens roubou e fugiu do edifício sem que a polícia tivesse sequer chegado.

Japão testa drones que transportam pessoas para diminuir o trânsito

Os responsáveis pelo projeto apontam que os drones tripulados poderão ser uma solução para combater o trânsito: “O Japão é um país com uma densidade populacional muito elevada, e como tal, carros voadores poderão ser a solução para diminuir o trânsito no país”.
Comentários