PremiumAgnelli: A história da mais célebre família italiana

Conhecidos como os “Kennedy de Itália”, a história da família Agnelli também é marcada pelo poder, glória, escândalos ou tragédias. Donos de um império que vai da indústria automóvel ao futebol, o clã tem quase duas centenas de membros e muitos deles são acionistas. Destes podemos destacar três protagonistas: Elkann, o homem que dirige os negócios, Andrea, o presidente da Juventus, e Lapo, o “enfant terrible”.

Gianni Agnelli, um dos maiores empresários italianos, e neto do fundador da Fiat, Giovanni, morreu  sem realizar os últimos desejos: resolver as fontes de divergência na família e nomear formalmente o sucessor de um dos mais poderosos construtores de automóveis. Estávamos em janeiro de 2003 e a dívida líquida da empresa ultrapassava os seis mil milhões de euros. Os bancos credores pressionavam os Agnelli, os despedimentos sucediam-se e o primeiro-ministro da época, Silvio Berlusconi, formou um comité técnico de emergência para a elaboração de um novo plano industrial e financeiro.

No entanto, mal se soube do desaparecimento do patriarca, as acções subiram e os investidores passaram a acreditar que seria possível reestruturar e recuperar a empresa. Após as mortes de Giovanni Agnelli (1921-2003), conhecido por Gianni ou Avvocato, e de Umberto Agnelli (1934-2004), netos do fundador, emerge uma nova geração: a de John Elkann e seu irmão Lapo (netos de Gianni), ou de Andrea Agnelli (neto de Umberto). Seria também a de Giovannino (neto de Umberto), o sucessor preferido, mas que morreria em dezembro de 1997 com um cancro. Assim, aos 21 anos, John Philip Jacob Elkann foi designado “príncipe herdeiro” e durante uma década aprenderia tudo o  o que havia para aprender sobre os negócios da família. Hoje em dia, é o presidente da FIAT e CEO da Exor, a empresa de investimento através da qual controlam boa parte dos negócios.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui aqui ao JE Leitor

Recomendadas

Carocha: Afinal, o carro do povo não morreu

Ao fim de oito décadas, o veículo que atravessou diversos momentos históricos chegou ao fim de uma longa estrada. O Carocha foi um símbolo do renascimento económico da Alemanha do pós-guerra e foi um sucesso de vendas nos Estados Unidos. Em Portugal, o espírito continua bem vivo: além de um hino, são vários os clubes e os colecionadores que guardam relgiosamente um modelo que pode valer mais de 100 mil euros.

Ângelo Girão: o comendador que mete medo aos avançados

Meses depois de ser campeão europeu de clubes pelo Sporting, realizou o sonho de tornar Portugal campeão mundial. O fim do jejum que durava desde 2003 deveu-se em grande parte ao guarda-redes de 29 anos que provou, uma vez mais, que não existe ninguém melhor a evitar que os sticks levem a bola para dentro da baliza. Os argentinos, espanhóis e italianos podem confirmá-lo.

Assembleia da República: Maioria absoluta masculina, acima dos 50 e recém-chegada

A XIII Legislatura, que está quase a terminar, não fica só marcada pela “geringonça”. Ao longo dos últimos quatro anos os portugueses foram representados por um Parlamento tão envelhecido quanto inexperiente no desempenho de funções. Aqui está a radiografia dos nossos deputados.
Comentários