Agroalimentares portugueses conquistam paladares em Paris

Oitenta e uma empresas e entidades portuguesas estão presentes no Salão Internacional da Alimentação (SIAL) no Parque de Exposições de Villepinte, nos arredores de Paris, desde 19 de outubro e até à próxima quinta-feira, dia 23. O evento, com 50 anos, é considerado como o maior salão mundial para o setor agroalimentar e conta, este […]

Oitenta e uma empresas e entidades portuguesas estão presentes no Salão Internacional da Alimentação (SIAL) no Parque de Exposições de Villepinte, nos arredores de Paris, desde 19 de outubro e até à próxima quinta-feira, dia 23.

O evento, com 50 anos, é considerado como o maior salão mundial para o setor agroalimentar e conta, este ano, com 6300 expositores de mais de cem países numa superfície de 260 mil m2 de exposição, o equivalente a cerca de 26 estádios de futebol.

Graças à dimensão monumental e à notoriedade da feira, “mais do que um trampolim é uma catapulta” para a empresa Gumelo, explicou à Lusa Tiago Marques, um dos fundadores da marca que conquistou o Prémio de Bronze de Inovação SIAL com o produto “Eco Gumelo”.

“O balanço é muito positivo. Ganhámos o prémio num universo de 1700 produtos, passámos em três canais televisivos em França e as pessoas vêm à nossa procura no meio de uma feira que é das maiores da Europa e do mundo”, acrescentou o designer da empresa.

O “Eco Gumelo”, apresentado como “o cogumelo gourmet pronto a crescer”, vem numa caixa com instruções: “Basta abrir a caixa, fazer um corte no plástico, vaporizar duas vezes por dia e, em duas semanas, há cogumelos frescos na bancada da cozinha”, descreveu Tiago Marques, sublinhando que “o substrato é constituído exclusivamente por borra de café”.

A empresa de Almeirim, criada em 2012 por um biólogo, um designer e um farmacêutico, integra a missão coletiva de empresas nacionais levadas à feira pela Confederação dos Agricultores de Portugal.

“Somos a empresa mais pequena desta missão e de outra forma não poderíamos vir. Arrecadámos logo um prémio que teria ficado na gaveta se não houvesse esta alavancagem”, reconheceu o jovem empresário de 34 anos.

Outro organismo a apoiar a presença industrial portuguesa na feira SIAL é a Portugal Foods, uma plataforma que junta empresas do agroalimentar e universidades, e que levou para o evento “36 empresas com um volume de faturação na ordem dos mil milhões de euros e cujas exportações representam mais ou menos 290 milhões”, disse à Lusa Amândio Santos, presidente da associação.

Entre essas empresas está a Condi Alimentar, que tem atraído as atenções com o bolo de chocolate preparado em um minuto: “Temos um copo já com um garfo e a tampa medidora. Basta adicionar 50 ml de agua, colocar um minuto no micro-ondas e tem um bolo de chocolate”, explicou Patrícia Santos, diretora comercial da empresa.

A participação neste salão traduz-se na vontade de se “expandir para novos mercados”, tendo sido feitos “bastantes contactos com profissionais dos Estados Unidos, Brasil, Chile, Espanha, Bélgica, Lituânia, Egito, Dinamarca, Finlândia e África do Sul”, continuou a responsável.

“Balanço positivo” é também o de Paulo Silvério, administrador da empresa de comercialização de pescado Luís Silvério e Filhos: “É a primeira vez que estamos aqui presentes e estamos a mostrar-nos ao mundo.”

Com um volume de negócios de 16 milhões de euros no ano passado, a exportação tem um peso de 30 por cento no total das vendas da empresa que emprega 30 pessoas e que quer apostar, agora, no mercado francês.

A Luís Silvério e Filhos foi para o salão à boleia da ACOPE – Associação Nacional de Comerciantes de Pescado, cujo stand se articula em torno de um “show cooking” onde o chef Luís Marques prepara diferentes pratos com os produtos de pesca das oito empresas representadas.

À margem do SIAL, já terminou o 1º Salão Agroalimentar Português em Paris, um evento de três dias que contou com uma mostra de produtos nacionais no Consulado-Geral de Portugal, um jantar baseado nas denominações de origem portuguesa concebido pelo chef Antoine Westermann, várias ações de formação para profissionais e uma visita ao salão SIAL.

Ler mais
Recomendadas

Como a Indústria 4.0 pode ajudar a criar a fábrica do futuro

A fábrica do futuro é o centro de uma cadeia de distribuição que combina clientes, fornecedores, distribuidores e parceiros com sistemas analíticos avançados. Isso pode levar a uma “produção perfeita” com o mínimo de tempo de inatividade, negligência, desperdício e ineficiência.

Sustentabilidade no investimento: menos risco, mais valor

Reduzir a quantidade de plásticos descartáveis ou viajar de comboio são duas formas de reduzir a nossa pegada ecológica. E no investimento, o que podemos fazer para reforçar a sustentabilidade?