Alemanha e França alimentam crescimento da zona euro para máximos de seis anos

O Índice de Gestores de Compras da Markit, publicado esta segunda-feira, situou-se nos 56,8 em maio, mantendo-se inalterado face aos dados apresentados em abril e confirmando a estimativa que havia sido apresentada pela mesma entidade.

A indústria e os serviços na zona euro continuam a crescer ao ritmo mais rápido dos últimos seis anos, impulsionados pelo crescimento nas duas maiores economias da região, a Alemanha e a França, no passado mês de maio. Segundo o Índice de Gestores de Compras (PMI, sigla em inglês) da Markit, publicado esta segunda-feira, este indicador compósito situou-se nos 56,8 em maio, mantendo-se inalterado face aos dados apresentados em abril e confirmando a estimativa que havia sido apresentada pela mesma entidade.

“Por setor, a última expansão da atividade económica foi liderada pela indústria manufatureira. A produção de mercadorias aumentou ao ritmo mais rápido dos últimos seis anos, sustentada por um aumento igualmente forte nas novas encomendas recebidas”, pode ler-se no documento. O relatório sobre a atividade económica dos países da zona euro refere ainda que o crescimento registado no país liderado por Angela Merkel foi sobretudo estimulado pela indústria, ao passo que a expansão em França foi empurrado pelos serviços.

“Os últimos dados do PMI evidenciam cada vez mais que a zona do euro está a desfrutar de um forte segundo trimestre”, afirma Chris Williamson, economista chefe da Markit, em relação aos números que vieram a público esta manhã. Para Chris Williamson, os valores apontam para o acréscimo de 0,7% na taxa de crescimento da zona euro. “As perspetivas para a economia da zona do euro parecem estar a inclinar-se para o lado positivo”, sublinha.

Recomendadas

Como a Indústria 4.0 pode ajudar a criar a fábrica do futuro

A fábrica do futuro é o centro de uma cadeia de distribuição que combina clientes, fornecedores, distribuidores e parceiros com sistemas analíticos avançados. Isso pode levar a uma “produção perfeita” com o mínimo de tempo de inatividade, negligência, desperdício e ineficiência.

Sustentabilidade no investimento: menos risco, mais valor

Reduzir a quantidade de plásticos descartáveis ou viajar de comboio são duas formas de reduzir a nossa pegada ecológica. E no investimento, o que podemos fazer para reforçar a sustentabilidade?
Comentários