Amazónia: Área superior ao Luxemburgo foi desflorestada sob mandato de Bolsonaro

Os madeireiros arrasaram uma área da floresta tropical brasileira maior do que o Luxemburgo desde que o presidente Jair Bolsonaro chegou ao poder, aumentando as tensões pela custódia da administração da floresta amazónica.

DR REUTERS/Paulo Whitaker

A desflorestação na Amazónia alcançou valores recorde em junho, cifrando-se neste momento em 88%. O alerta para a extensão da devastação florestal foi dado pela Agência Espacial Brasileira (INPE), que aponta um abate de árvores ao longo de 3.926 quilómetros quadrados da maior floresta tropical do mundo.

Em termos práticos, os madeireiros arrasaram uma área da floresta tropical brasileira maior do que o Luxemburgo desde que o presidente Jair Bolsonaro chegou ao poder, aumentando as tensões pela custódia da administração da floresta amazónica.

O desmatamento em julho, que acompanhou os fortes aumentos anuais em maio e junho, foi o maior desde o início do mandato de Bolsonaro em janeiro e o maior registado em apenas um mês num espaço de dois anos. O ritmo da destruição provocou tensões entre as populações indígenas que vivem em áreas protegidas da Amazónia e os seus apoiantes, e aqueles que procuram comprar os terrenos. Também provocou críticas internacionais, em parte porque o ecossistema de 6,7 milhões de quilómetros quadrados desempenha um papel vital na absorção das emissões de dióxido de carbono e na estabilização das temperaturas globais, de acordo com os cientistas.

Depois da União Europeia ter assinado o acordo com o mercado sul-americano (Mercosul), o presidente francês Emmanuel Macron alertou que a implementação do acordo depende da adesão do Brasil ao acordo climático de Paris, um acordo do qual Bolsonaro já manifestou intenções de abandonar.

O presidente brasileiro também entrou em choque com o INPE sobre os recentes dados do desmatamento, acusando a agência – que rastreia a derrubada de florestas por meio de imagens de satélite – de inflacionar seus números. “O que não queremos é propaganda negativa para o Brasil”, referiu no mês passado, pedindo uma verificação mais rigorosa dos dados oficiais. O governo voltou a criticar o relatório, na passada quinta-feira, acrescentando que o próprio Executivo está a trabalhar num sistema de rastreamento e recolha de dados.

Bolsonaro defende a abertura de seções protegidas da Amazônia para atividades comerciais e expressou a esperança de nomear um de seus filhos como embaixador nos EUA para atrair investidores de mineração.

A floresta tropical há muito que é cobiçada pelo setor de agronegócios e outras indústrias. No entanto, ambientalistas alertam que as promessas de Bolsonaro de abrir as áreas reservadas para o desenvolvimento, ao mesmo tempo em que reduzem as proteções ambientais, encorajam os madeireiros, exploradores e fazendeiros interessados ​​em lucrar com a desflorestação.

 

Ler mais
Recomendadas

Carros elétricos precisam de mais cobre que os convencionais

O setor automóvel tem aumentado o seu uso do cobre ao longo das últimas décadas, devido ao maior peso da eletrónica no automóvel moderno. Mas o crescimento do carro elétrico está a tornar a indústria automóvel ainda mais dependente deste minério, cujos maiores produtores mundiais são o Chile, Peru e China.

Central nuclear flutuante russa prepara-se para navegar mais de 6 mil quilómetros

A nova central é apelidada de ‘Titanic nuclear’ ou de ‘Chernobyl sobre o gelo’ pelos ambientalistas. A Rússia quer vender a outros países as centrais nucleares flutuantes.

PremiumSaiba quem são os 13 vencedores do leilão de energia solar. Investidores vêm de seis países

Empresas de seis países ganharam lotes, segundo a lista obtida pelo Jornal Económico. Governo elogia preços baixos, mas setor teme falta de rentabilidade.
Comentários