Andreia Ventura é a nova presidente dos operadores do porto de Lisboa

Esta é a primeira vez, desde há mais de dez anos, que a AOPL passa a agregar todos os operadores do porto de Lisboa, o Grupo ETE, o Grupo Yilport e o Grupo TMB,

Rafael Marchante/Reuters

Andreia Ventura foi eleita esta semana presidente da AOPL – Associação de Operadores do Porto de Lisboa, em representação do Grupo TMB – Terminal Multiusos do Beato.

Esta é a primeira vez, desde há mais de dez anos, que a AOPL passa a agregar todos os operadores do porto de Lisboa, o Grupo ETE, o Grupo Yilport e o Grupo TMB, “um momento que marcou a recente eleição dos corpos sociais, da nova direção e que elegeu Andreia Ventura como presidente”.

Segundo Andreia Ventura, “para a AOPL, os interesses dos operadores portuários que representa devem ser defendidos levando em conta a relevância económica e social do porto de Lisboa, pois a sua influência e impactos económicos diretos e indiretos têm um alcance não apenas local, mas também regional e nacional”.

“No âmbito das parcerias e entendimentos, a AOPL quer fomentar o diálogo com todos os ‘stakeholders’ do porto de Lisboa, desde o Governo, através do Ministério do Mar, e a APL [Administração do Porto de Lisboa], a todas as entidades com interesses nessa zona, nomeadamente todos os municípios da área de jurisdição do Porto de Lisboa, como a Câmara Municipal de Lisboa”, acrescenta a nova presidente da AOPL.

De acordo com um comunicado da AOPL, entre as prioridades da nova direção que motivaram o alinhamento dos diversos operadores, destacam-se eixos, como apostar no desenvolvimento do porto de Lisboa e potenciar o valor económico da sua localização geoestratégica para a cidade, para a região e para Portugal e assegurar a competitividade e a concorrência do porto de Lisboa, nomeadamente através da renegociação dos prazos das concessões de serviço público de movimentação de cargas.

Reforçar a ligação entre o porto e a cidade e fomentar a construção de parcerias e entendimentos entre os diversos ‘stakeholders’ do Porto de Lisboa, são outras metas do mandato agora iniciado por Andreia Ventura.

Andreia Ventura detém um vasto currículo de gestora pública ligada às atividades portuárias, tendo sido vogal da administração da APL e, mais recentemente, do Arsenal do Alfeite, entre outros cargos.

De acordo com o estudo realizado pela sociedade de consultores Augusto Mateus & Associados para a APL em 2016, o impacto económico direto do porto de Lisboa traduz-se em 1,5 mil milhões de euros de Valor Bruto de Produção, 350 milhões de euros de Valor Acrescentado Bruto (VAB), 6.631 postos de trabalho e 205 milhões de euros em remunerações.

Segundo o mesmo estudo, com valores reportados a 2014, se contarmos com os efeitos económicos diretos, indiretos e induzidos, o porto de Lisboa assegura 58 mil milhões de euros de Valor Bruto de Produção, 23 mil milhões de euros em VAB, 722 mil postos de trabalho e 11 mil milhões de euros em remunerações, 15% da riqueza gerada a nível nacional e 16% do volume de emprego em Portugal.

 

 

Ler mais
Recomendadas

Indústria Alimentar: o caminho da digitalização

No contexto da Indústria Alimentar, as organizações para se adaptarem necessitam de investir, e, atualmente, as tecnologias digitais chave passam pela: Robótica, Serviços móveis, Tecnologia Cloud, Internet-of-Things, Cibersegurança, Big Data e Analítica avançada, Impressão 3D, Inteligência Artificial e Social Media. Os consumidores, também eles cada vez mais nativos digitais, ditam tendências e as indústrias adaptam-se, quer […]

Japão testa drones que transportam pessoas para diminuir o trânsito

Os responsáveis pelo projeto apontam que os drones tripulados poderão ser uma solução para combater o trânsito: “O Japão é um país com uma densidade populacional muito elevada, e como tal, carros voadores poderão ser a solução para diminuir o trânsito no país”.

Procrastinação ou a coragem de mudar

É preciso saber e decidir sem vacilar. Caso contrário, faremos parte das fotos guardadas no baú. Para mais tarde recordar.
Comentários