António Costa anuncia défice “perto de 1,1%” em 2017

O primeiro-ministro assinalou esta estimativa num discurso na sessão plenária do Parlamento Europeu, em Estrasburgo, esta quarta-feira.

Miguel A. Lopes / Lusa

O primeiro-ministro anunciou esta quarta-feira, 14 de março, que o défice orçamental se terá fixado “perto de 1,1%” em 2017. António Costa assinalou a estimativa num discurso na sessão plenária do Parlamento Europeu, em Estrasburgo.

“Esta política tem permitido não só variar a página da austeridade como tem permitido obter bons resultados na consolidação das contas públicas. O défice no ano passado ficou perto de 1,1%, com o início da redução da dívida pública, ao mesmo tempo que tivemos o maior crescimento desde o início do século e uma taxa de desemprego que tem vindo a cair”, disse o governante, em declarações divulgadas pelo jornal online “Eco”.

No início do ano, o líder do Executivo português revelou que “o défice ficará francamente abaixo do 1,5%, que era a meta inicial, e rondará seguramente o 1,2% do PIB do ano passado”. À margem de uma intervenção na Fundação AEP, no Porto, António Costa adiantou ainda ter havido uma “forte redução” da dívida pública que, desde outubro, inverteu uma tendência de crescimento que vinha de há vários anos.

O défice das Administrações Públicas de 2017 ascendeu a 2.574 milhões de euros, em contabilidade pública. A diminuição resultou de uma melhoria de 1.607 milhões de euros em comparação com 2016, explicada pelo crescimento da receita de 3,8% acima do crescimento de 1,6% da despesa, segundo informações divulgadas no final de janeiro pelo Ministério das Finanças.

Relacionadas

Juncker: “Portugal saiu do PDE e os desequilíbrios já não são excessivos. Quem teria acreditado?”

O presidente do executivo comunitário sublinhou que “a verdade é que estes progressos exigiram dos portugueses ao longo destes dolorosos anos esforços consideráveis, que os outros europeus nem sempre valorizam na medida certa”.

Juncker considera que Portugal é exemplo a seguir no acolhimento de refugiados

“O acolhimento que os portugueses e o Governo português reservaram aos refugiados mostra-o claramente. Portugal faz mais do que a sua parte ao recolocar muitos refugiados oriundos da Grécia e Itália, o que constitui um exemplo que deveria inspirar alguns”, elogiou o presidente da Comissão Europeia.

António Costa: “Alternativa à política de austeridade resultou no maior crescimento económico do século”

O governante sublinhou, num debate sobre o “futuro da Europa” em Estrasburgo, que Portugal fez diferente, mas cumpriu sempre as regras e essa “afirmação da soberania democrática” permitiu-lhe reforçar a sua ligação com Bruxelas.

António Costa: “Portugal está disponível para aumentar a sua contribuição” à União Europeia

No debate sobre o Futuro da Europa, no Parlamento Europeu, o primeiro-ministro português defendeu que é necessário aproveitar o “otimismo e crescimento dos mercados” e uma “capacidade orçamental própria da zona euro”.
Recomendadas

Cinco anos da resolução do BES: os principais rostos de uma história que abalou Portugal

No dia 3 de agosto de 2014, Carlos Costa, governador do Banco de Portugal, anunciou em direto televisivo o colapso do BES e o nascimento do Novo Banco através de uma injeção de 4.900 milhões. Conheça alguns dos intervenientes desta história que aqueceu ainda mais o verão em Portugal.

Cerberus dá preço mais alto pelos imóveis do Novo Banco

O Novo Banco está na fase final das negociações com dois candidatos – Cerberus e Bain – para escolher o comprador do portfólio de imóveis conhecido por “Sertorius”.

Saída em bloco de quadros no Crédit Suisse em Portugal

O Crédit Suisse em Portugal vai perder 10 quadros, a partir de agosto. Equipa de gestão de fortunas liderada por Gonçalo Maleitas Correia deverá ir para o concorrente Julius Baer, em Madrid.
Comentários