António Costa cita LNEC para afastar riscos de segurança na ponte 25 de Abril

O secretário-geral do PS citou esta sexta-feira a posição oficial do Laboratório Nacional de Engenharia Civil (LNEC) para afastar qualquer risco em termos de segurança na circulação na ponte 25 de Abril, apesar de necessitar de obras.

António Costa abordou a questão da segurança na ponte 25 de Abril, durante uma entrevista feita pela jornalista Maria Elisa para o jornal digital diário Ação Socialista, que hoje completou três anos de existência.

“Melhor do que eu, quem pode tranquilizar, como o fez [na quinta-feira], foi o presidente do LNEC que disse com toda a clareza que a ponte esteve segura, está segura e continuará a estar segura”, respondeu o primeiro-ministro, numa entrevista que durou cerca de 45 minutos e que foi feita na sede nacional do PS.

António Costa afirmou depois que a ponte 25 de Abril está a ser vigiada e auditada por uma entidade independente como o LNEC.

“O próprio laboratório diz que são necessárias intervenções, mas não constituem neste momento um perigo para a circulação na ponte. E o calendário que está previsto para a realização das obras é perfeitamente comportável com os níveis de segurança que a ponte tem de ter”, referiu ainda.

Interrogado por Maria Elisa se está totalmente tranquilo em relação ao estado da ponte 25 de Abril, António Costa respondeu: “Não sou engenheiro, mas se não confio nos estudos do LNEC então aí o mundo fica um bocado ao contrário”.

“Temos de confiar na informação técnica, porque são os mesmos técnicos que detetaram os problemas que dizem que há questões que necessitam de solução, mas que não constituem qualquer ameaça iminente”, acrescentou António Costa.

Ler mais
Relacionadas

Finanças nega que tenha demorado seis meses até desbloquear obras na Ponte 25 de Abril

O Governo reforça em comunicado que a “Lei do Orçamento do Estado para 2018 previa já os montantes necessários à intervenção na Ponte 25 de Abril, no quadro do calendário de manutenção regular e plurianual previamente estabelecido”.
Recomendadas

Marcelo aprova aumentos de 700 euros para juízes, mas critica fosso salarial face aos polícias e militares

Marcelo Rebelo de Sousa destaca que os juízes, e membros de autoridades reguladoras e de supervisão a entidades públicas empresariais e empresas públicas, passando por outras entidades administrativas, já estão com salários mais elevados do que o primeiro-ministro. O Presidente exige que a desigualdade salarial seja “encarada na próxima legislatura”.

Incêndios florestais caíram 26% este ano face a 2018

“Estamos, até hoje, com 6.800 incêndios desde o início do ano, o que significa que temos um número de incêndios 36% inferior à média dos últimos dez anos. E uma área ardida 42% inferior à média dos últimos dez anos”, sublinhou Eduardo Cabrita.

Proteção Civil tem reservas de combustível para “mais de dois meses”

Apesar de garantir que existem reservas para mais de dois meses, Eduardo Cabrita sublinha que as prioridades têm de ser asseguradas quando se fala numa dificuldade de distribuição.
Comentários