António Costa no congresso do PS: “não meti os papéis para a reforma”

Entre outros temas, como a eutanásia, o congresso do PS foi marcado pela discussão em torno dos potenciais sucessores à liderança, como Pedro Nuno Santos, secretário de Estado dos Assuntos Parlamentares, um dos mais ovacionados na reunião magna dos socialistas.

“Anuncio desde já que não meti os papéis para a reforma”, avisou hoje, António Costa, na fase final do seu discurso de encerramento do congresso do Partido Socialista, que decorreu desde a passada sexta-gfeira, dia 25 de maio, na Batalha.

O secretário-geral do PS acentuou essa decisão quando falava da sucessão no partido: “é muito gratificante ver que podemos olhar para o nosso futuro com enorme tranquilidade e satisfação, porque vemos lá, no futuro, a aproximar-se uma nova geração com um enorme potencial, com uma enorme qualidade política, uma enorme qualidade técnica, uma enorme preparação profissional e política, para poderem seguir com a bandeira do PS em punho e levarem-no para a frente ao longo de todo este século”.

Entre outros temas, como a eutanásia, o congresso do PS foi marcado pela discussão em torno dos potenciais sucessores à liderança, como Pedro Nuno Santos, secretário de Estado dos Assuntos Parlamentares, um dos mais ovacionados na reunião magna dos socialistas.

Ana Catarina Mendes e Fernando Media são outros dos mais falados para concorrerem a ma próxima liderança socialista após a saída de António Costa do atual cargo de secretário-geral do PS.

 

Recomendadas

Marcelo aprova aumentos de 700 euros para juízes, mas critica fosso salarial face aos polícias e militares

Marcelo Rebelo de Sousa destaca que os juízes, e membros de autoridades reguladoras e de supervisão a entidades públicas empresariais e empresas públicas, passando por outras entidades administrativas, já estão com salários mais elevados do que o primeiro-ministro. O Presidente exige que a desigualdade salarial seja “encarada na próxima legislatura”.

Incêndios florestais caíram 26% este ano face a 2018

“Estamos, até hoje, com 6.800 incêndios desde o início do ano, o que significa que temos um número de incêndios 36% inferior à média dos últimos dez anos. E uma área ardida 42% inferior à média dos últimos dez anos”, sublinhou Eduardo Cabrita.

Proteção Civil tem reservas de combustível para “mais de dois meses”

Apesar de garantir que existem reservas para mais de dois meses, Eduardo Cabrita sublinha que as prioridades têm de ser asseguradas quando se fala numa dificuldade de distribuição.
Comentários