António Costa quer subir salários e o regresso de jovens emigrantes

O primeiro-ministro anunciou que o próximo Orçamento de Estado vai estabelecer um programa para fomentar o regresso dos jovens que emigraram do país.

O primeiro-ministro António Costa, falando na qualidade de secretário-geral do PS, garantiu hoje, dia 27 de maio, no discurso de encerramento do congresso do partido, na Batalha, que, “no próximo ano, chegaremos aos 600 euros de salário mínimo nacional, que está previsto no programa do Governo”.

Mas foi mais longe e e assumiu que “o problema não se coloca só ao nível do salário mínimo nacional”.

“O conjunto dos salários tem de convergir para a meta europeia”, defendeu António Costa, sublinhando que “essa tem de ser a ambição coletiva do nosso país”.

O secretário-geral do PS anunciou ainda que, “para o Ps, uma das principais prioridades para o próximo Orçamento de Estado será adoptar um programa que fomente o regresso dos jovens que partiram sem vontade partir e que querem, e têm de ter, a liberdade de poder voltar a viver entre nós”.

“Essa é, seguramente, a principal, uma das principais prioridades do próximo Orçamento de Estado do PS”, garantiu António Costa

Relacionadas

António Costa no congresso do PS: “não meti os papéis para a reforma”

Entre outros temas, como a eutanásia, o congresso do PS foi marcado pela discussão em torno dos potenciais sucessores à liderança, como Pedro Nuno Santos, secretário de Estado dos Assuntos Parlamentares, um dos mais ovacionados na reunião magna dos socialistas.

Catarina Martins diz que PS está “convertido” a medidas negociadas à esquerda

“O Partido Socialista parece hoje convertido, como sendo boas medidas, a medidas que não quis e que foi preciso fazer negociação à esquerda para elas serem possíveis, como a atualização das pensões ou a subida do salário mínimo”, afirmou Catarina Martins em declarações aos jornalistas à margem de uma visita às festas do Senhor de Matosinhos.

Mário Centeno destaca vontade do PS de estar no centro da construção europeia

O ministro das Finanças, Mário Centeno, considerou hoje que o 22.º Congresso do PS reafirmou a vontade do partido de “estar no centro da construção europeia” e “virou a página” de políticas anteriores.

Congresso do PS: Lista de Costa para a Comissão Nacional obtém 86,6% dos votos

A lista do líder do PS, António Costa, para a Comissão Nacional deste partido, encabeçada pela secretária-geral adjunta, Ana Catarina Mendes, obteve hoje 86,6% dos votos, contra 11% conseguidos pela lista encabeçada por Daniel Adrião.

Congresso do PS: Aprovadas alterações de estatutos propostas por António Costa

A proposta de alteração de estatutos do PS, apresentada pela direção de António Costa, foi hoje aprovada por larga maioria no 22.º Congresso Nacional do partido, na Batalha (Leiria).

Congresso do PS: Ana Catarina Mendes lidera lista de António Costa para a Comissão Nacional

A secretária-geral adjunta do PS, Ana Catarina Mendes, vai encabeçar a lista do líder socialista, António Costa, para a Comissão Nacional do partido, na qual as mulheres representam cerca de 37% do total de membros. Na Comissão Nacional do PS, o órgão máximo socialista entre congressos e que é constituído por 251 elementos efetivos, o […]
Recomendadas

Marcelo aprova aumentos de 700 euros para juízes, mas critica fosso salarial face aos polícias e militares

Marcelo Rebelo de Sousa destaca que os juízes, e membros de autoridades reguladoras e de supervisão a entidades públicas empresariais e empresas públicas, passando por outras entidades administrativas, já estão com salários mais elevados do que o primeiro-ministro. O Presidente exige que a desigualdade salarial seja “encarada na próxima legislatura”.

Incêndios florestais caíram 26% este ano face a 2018

“Estamos, até hoje, com 6.800 incêndios desde o início do ano, o que significa que temos um número de incêndios 36% inferior à média dos últimos dez anos. E uma área ardida 42% inferior à média dos últimos dez anos”, sublinhou Eduardo Cabrita.

Proteção Civil tem reservas de combustível para “mais de dois meses”

Apesar de garantir que existem reservas para mais de dois meses, Eduardo Cabrita sublinha que as prioridades têm de ser asseguradas quando se fala numa dificuldade de distribuição.
Comentários