Ao quarto dia, Wall Street aliviou a pressão da possível guerra comercial

Principais praças norte-americanas abriram esta quinta-feira com ganhos, impulsionadas por dados económicos. As bolsas aliviam assim a pressão relacionada com o aumento das taxas alfandegárias nos EUA.

Brendan McDermid / Reuters

Wall Street abriu com ganhos ligeiros, após três sessões de perdas devido ao anúncio de que os EUA iriam aumentar as taxas alfandegárias à importação de aço e alumínio e aos receios sobre uma guerra comercial com a China. Esta quinta-feira, as principais bolsas norte-americanas focaram nos dados económicos e começaram a aliviar a pressão.

Os mercados encontraram suporte nos dados do desemprego semanais, que caíram em comparação com a semana passada, reforçando a perspetiva de robustez do mercado de trabalho. Também foram conhecidos esta quinta-feira dados dos preços das importações em fevereiro, que deverão sustentam uma subida gradual da inflação.

O índice industrial Dow Jones ganha 0,37% para 24.848,55 pontos, enquanto o financeiro S&P 500 sobe 0,12% para 2.752,75 pontos e o tecnológico Nasdaq recua 0,03 para 7.494,93 pontos.

Entre as cotadas mais penalizadas pela perspetiva de uma guerra comercial, a Caterpillar (0,78%) e a General Electric (1,09%), levando o índice S&P Industrial a avançar 0,15%. As ações da Boeing continuam, no entanto, a desvalorizar 1,56% para 325 dólares, acumulando já uma perda de 8,8% desde o início do mês.

No mercado cambial, a moeda norte-americana aprecia-se contra o euro pela segunda sessão consecutiva. Na abertura das bolsas, 0,19% para 1,234 dólares. As yields das Treasuries a 10 anos recuam para 2,80%.

Os mercados norte-americanos têm sido penalizados pela tentativa de Donald Trump de impor tarifas de cerca de 60 mil milhões de dólares à importações chinesas. O gigante asiático já reagiu, com o porta-voz do ministério dos Negócios Estrangeiros da China, Lu Kang, a afirmar não têm interesse numa guerra comercial, mas que vão proteger os seus direitos.

“O problema é que esse tipo de retórica cria incertezas nos mercados”, explicou Peter Cardillo, economista-chefe do First Standard Financial, em declarações à agência Reuters. “Provavelmente vamos continuar a escorregar para dentro e fora da coluna negativa durante a maior parte do dia. Talvez possamos ter uma sessão média com tendência ascendente”, acrescentou.

Ler mais

Relacionadas

Organização Mundial do Comércio alerta para risco de retaliações com taxas sobre aço e alumínio

“O princípio de ação e reação conduz, por vezes, a guerras comerciais nas quais ninguém tem interesse e no final das quais só há perdedores e não vencedores”, acrescentou o responsável da OMC.

Bolsa portuguesa chega a meio da sessão no “verde”, impulsionado pela Sonae

O principal índice bolsista nacional, o PSI 20, avança ligeiramente 0,19%, para 5.430,26 pontos, numa altura em que as praças europeias estão em alta.

Wall Street fecha em queda

Nasdaq caiu, depois de ter tocado os máximos. A influenciar a queda do índice esteve a decisão da Administração Trump de bloquear a compra do chipmaker Qualcomm pelo rival Broadcom com sede em Singapura. Os investidores interpretam que o novo protecionismo económico reduzirá as operações corporativas no setor.
Recomendadas

PSI 20 acompanha Europa em alta. Títulos do Grupo EDP impulsionam praça nacional

O principal índice bolsista português soma 0,46%, para 4.855,54 pontos.

Abrandamento da economia poderá ser entrave para Moody’s igualar as pares na avaliação de Portugal

A Moody’s tem agendada uma avaliação à notação da dívida soberana portuguesa esta sexta-feira. A agência poderá querer alinhar-se com a S&P e a Fitch através de uma subida de um grau para ‘Baa2’, mas as incertezas que estão a esfriar o crescimento da economia global poderão ser motivo para manter o ‘status quo’.

Acalmia cambial trouxe bons resultados em Wall Street

O índice tecnológico S&P, .SPL.RCT, que inclui empresas que têm uma maior exposição ao mercado chinês e estiveram no centro das vendas registadas na segunda-feira, foi aquele que mais valorizou nesta sessão, com um crescimento de 1,61%.
Comentários