“Apurar tudo, mas mesmo tudo”: Marcelo Rebelo de Sousa quer respostas rápidas sobre incêndio em Pedrógão Grande

Presidente da República afirma que é urgente “terminar a árdua missão dos últimos dias, acelerar a reconstrução, e apurar tudo, mas mesmo tudo, o que houver a apurar”.

Marcelo Rebelo de Sousa afirma, em artigo publicado hoje no Expresso, a necessidade de “terminar a árdua missão dos últimos dias, acelerar a reconstrução, e apurar tudo, mas mesmo tudo, o que houver a apurar”.

Vêm aí “meses muito exigentes” que “merecem, pois, o renovado apoio do Presidente da República, as iniciativas e convergências entre partidos políticos nestas três frentes de intervenção”.
O chefe de Estado pede pressa nas respostas, salientando que “o Presidente da República tudo fez para criar condições aos operacionais de combate ao fogo em clima de unidade nacional. Entende ser sua missão garantir agora que todas as interrogações sobre factos e responsabilidades tenham uma resposta rápida e exaustiva”.

Marcelo relembra a sua mensagem ao país, no domingo à noite, em que disse que “havia interrogações e sentimentos, que não deveríamos esquecer, mas que a hora era ainda de combate contra os fogos, determinando mobilização total perante essa prioridade. Disse, ainda, que importava começar a reconstrução, urgente, na vida de pessoas e comunidades atingidas pela tragédia. Tudo com a visão nacional, sempre demonstrada pela nossa pátria, ao longo dos séculos, em face das adversidades as mais pesadas e complexas”.

O Presidente da República avisa assim que, “é tempo de, sem limites ou medos, se apurar o que, estrutural ou conjunturalmente, possa ter causado ou influenciado, quer o sucedido, quer a resposta dada. No plano técnico, como no institucional. Num prazo que não esvazie o significado do apuramento, nem acabe por retirar utilidade às suas conclusões”.

Recomendadas

Marcelo aprova aumentos de 700 euros para juízes, mas critica fosso salarial face aos polícias e militares

Marcelo Rebelo de Sousa destaca que os juízes, e membros de autoridades reguladoras e de supervisão a entidades públicas empresariais e empresas públicas, passando por outras entidades administrativas, já estão com salários mais elevados do que o primeiro-ministro. O Presidente exige que a desigualdade salarial seja “encarada na próxima legislatura”.

Incêndios florestais caíram 26% este ano face a 2018

“Estamos, até hoje, com 6.800 incêndios desde o início do ano, o que significa que temos um número de incêndios 36% inferior à média dos últimos dez anos. E uma área ardida 42% inferior à média dos últimos dez anos”, sublinhou Eduardo Cabrita.

Proteção Civil tem reservas de combustível para “mais de dois meses”

Apesar de garantir que existem reservas para mais de dois meses, Eduardo Cabrita sublinha que as prioridades têm de ser asseguradas quando se fala numa dificuldade de distribuição.
Comentários