Arrow Global junta Norfin à Whitestar por 17 milhões

O Grupo Arrow Global anunciou a compra da Norfin Investimentos, que se dedica à gestão de ativos e fundos imobiliários. O valor do negócio de 17 milhões de euros. A Norfin foi adquirida aos donos João Brion Sanches, Alexandre Relvas e Filipe Botton.

O Grupo Arrow Global, que em Portugal já tem a Whitestar, anunciou esta quinta-feira ter chegado a acordo com os acionistas da Norfin Investimentos para a aquisição da totalidade da empresa. O valor do negócio não foi comunicado oficialmente em Portugal, mas comunicaram no mercado britânico e a aquisição foi feita por 17 milhões de euros (15,1 milhões de libras). A Norfin foi adquirida aos donos da instituição financeira que eram para além do CEO João Brion Sanches, ainda Alexandre Relvas e Filipe Botton.

A Norfin Investimentos é uma instituição financeira líder na gestão de ativos e fundos imobiliários, especializada no investimento e gestão de participações diretas em projetos ou ativos imobiliários, normalmente através de fundos fechados de investimento imobiliário. Fundada em Lisboa em 1999 tem atualmente cerca de 1.500 milhões de euros sob gestão.

O negócio aguarda ainda aprovação do Banco de Portugal.

A Norfin tem uma equipa com cerca de 50 colaboradores, e “esta aquisição vem reforçar as capacidades de investimento e gestão de ativos do grupo Arrow Global”, diz a empresa britânica que gere portfólios de crédito malparado.

Segundo o comunicado João Brion Sanches, CEO da Norfin, mantém-se à frente da empresa agora inserida no grupo multinacional britânico.

A aquisição reforça não apenas a posição em Portugal do Grupo britânico, cotado na bolsa de Londres, como traz valor e capacidades ao Grupo ao nível da gestão de fundos de investimento imobiliário, explica a empresa em comunicado.

Recorde-se que o Grupo Arrow Global já detinha em Portugal a Whitestar Asset Solutions, empresa líder de gestão de carteiras de crédito e imobiliário, com mais de 6,6 mil milhões de euros sob gestão.

“Este é um negócio importante para o Grupo Arrow, e especificamente para a Whitestar, dado que a Norfin representa um complemento de negócio muito relevante, aumentando as valências de asset management da Whitestar enquanto líder de mercado em Portugal. Este investimento mostra a importância que o mercado português tem para o Grupo e para as cerca de 600 pessoas que emprega no país”, diz no comunicado João Bugalho, Chief Country Officer da Arrow em Portugal e CEO da Whitestar Asset Solutions.

“Estamos muito entusiasmados com esta aquisição, estratégica para todo o Grupo Arrow, na medida em que muitas das capacidades e competências que traz ao nível da gestão de ativos imobiliários em Portugal são replicáveis noutras geografias onde a Arrow Global está presente”, afirma Lee Rochford, CEO do Grupo Arrow Global.

Por sua vez João Brion Sanches, CEO da Norfin, escreve que “estamos muito satisfeitos por nos juntarmos à Arrow Global. Ao longo dos últimos anos, criámos um negócio cujos conhecimentos e capacidades vão permitir reforçar o crescimento do Grupo Arrow em Portugal e nas geografias onde está presente”.

A Arrow Global opera atualmente em seis geografias (Reino Unido, Portugal, Holanda, Bélgica, Itália e Irlanda), sendo a detentora de um conjunto de empresas líderes no seu segmento nesses mercados.

(atualiza com o valor do negócio)

Ler mais
Recomendadas

Inovação e empreendedorismo

Há que aplicar as novas tecnologias à cadeia de valor de uma empresa para que esta possa fornecer a melhor resposta ao cliente, conhecendo e focando-se nas necessidades que este tem. Neste ponto as startups representam uma mais-valia.

CGD avalia ações contra gestores que aprovaram crédito a Vale do Lobo

Advogados da CGD estão a avaliar ações cíveis contra gestores da administração de Santos Ferreira que deram ‘luz verde’ a operação Vale do Lobo. Parecer é entregue após o verão para decisão final.

JP Morgan bem posicionado para liderar entrada em bolsa da WeWork

Dona da WeWork vai emitir obrigações até seis mil milhões de dólares e fontes próximas da empresa revelaram que a instituição financeira que montar esta operação poderá ter papel ativo na entrada em bolsa da WeWork.
Comentários