As férias dos políticos: Marcelo vai para o Pedrógão e os restantes?

O presidente da República vai cumprir a promessa de passar parte das suas férias nas zonas afetadas pelos grandes incêndios do ano passado, enquanto a maioria das principais figuras políticas continuará a privilegiar o sul do país.

As exceções serão o presidente do PSD, Rui Rio, que passará férias no norte do país, e o deputado do PAN, André Silva, o único dos políticos contactados pela Lusa que irá viajar para bem longe de Portugal, num roteiro pelo Cáucaso.

O gabinete do primeiro-ministro preferiu não divulgar quando e onde António Costa gozará o seu período de descanso.

Marcelo Rebelo de Sousa já tinha anunciado que pretendia regressar à zona dos incêndios de junho e outubro do ano passado, desta vez na qualidade de turista, para incentivar os portugueses a seguirem-lhe o exemplo e “dinamizar a economia” do interior.

De acordo com o seu gabinete, o Presidente da República irá, no início de agosto, gozar alguns dias de férias nas zonas afetadas pelos incêndios de outubro – podendo passar por municípios como Vouzela, Tondela, Góis, Arganil ou Oliveira do Hospital – e na última semana de agosto fará o mesmo na zona de Pedrógão Grande e Castanheira de Pera.

O chefe de Estado viajará sozinho – à exceção dos obrigatórios seguranças – e sem programa definido, conduzindo o próprio carro.

Entre esses dois períodos, Marcelo Rebelo de Sousa irá, como habitualmente, para o Algarve, onde passará cerca de 15 dias de férias em família, na zona na Quinta do Lago.

Dos políticos contactados pela Lusa, apenas a coordenadora do BE e a deputada do Partido Ecologista Os Verdes Heloísa Apolónia deverão passar parte das férias no interior do país.

Segundo fonte oficial do partido, Catarina Martins passará férias em Portugal, com a família, no início de agosto, num período que será dividido entre o litoral e o interior do país, “como acontece todos os anos”.

Já a deputada do PEV dividirá as suas férias em família entre o sul do país e o Alentejo interior, também em agosto.

A segunda figura do Estado, o presidente da Assembleia da República, Ferro Rodrigues, repetirá o modelo de férias que segue “há 40 anos consecutivos”, passando a primeira quinzena de agosto em Altura, no Algarve, com a família.

Também o presidente e líder parlamentar do PS, Carlos César, passará uma parte das férias no Algarve e a outra nos Açores – onde já está – mas fonte do seu gabinete realça que, mesmo neste período, “só desliga o telemóvel nos aviões”.

Também o secretário-geral do PCP, Jerónimo de Sousa, já está férias no sul do país, num período de descanso que durará cerca de três semanas. O líder parlamentar comunista, João Oliveira, repete o seu destino tradicional nesta época e irá para o litoral alentejano “entre Aljezur e a praia da Galé” durante duas a três semanas no próximo mês.

Em matéria de destinos de férias, esquerda e direita têm gostos semelhantes: também a líder do CDS-PP, Assunção Cristas, irá passar as primeiras semanas de agosto no Algarve com a família, bem como o líder parlamentar democrata-cristão, Nuno Magalhães, que pretende rumar na segunda quinzena de agosto para o sul do país.

Só o presidente do PSD e antigo presidente da Câmara do Porto, Rui Rio, ficará no norte do país nas suas férias, enquanto o líder parlamentar social-democrata Fernando Negrão planeou uma viagem pelas praias do litoral.

O deputado único do partido Pessoas-Animais-Natureza André Silva volta a ser a exceção às férias 100% nacionais, depois de há dois anos ter rumado à China, Tibete e Nepal.

“Durante grande parte do mês de agosto farei uma viagem independente pelo Cáucaso, essencialmente de comboio, num roteiro auto-organizado, de Istambul a Baku, atravessando Turquia, Curdistão, Geórgia, Arménia e Azerbaijão, com várias incursões a pequenas aldeias, ambientes naturais e mosteiros perdidos no tempo”, disse o deputado à Lusa, acrescentando que no regresso ainda prefere passar alguns dias numa das suas praias favoritas situadas no concelho de Aljezur, no Alentejo.

Depois de o parlamento encerrar os trabalhos na quinta-feira, o Presidente da República tem ainda reuniões marcadas com os partidos com representação parlamentar para dias 30 e 31 de julho, no âmbito dos “contactos regulares” que tem mantido com as forças partidárias.

Ler mais
Recomendadas

Marcelo aprova aumentos de 700 euros para juízes, mas critica fosso salarial face aos polícias e militares

Marcelo Rebelo de Sousa destaca que os juízes, e membros de autoridades reguladoras e de supervisão a entidades públicas empresariais e empresas públicas, passando por outras entidades administrativas, já estão com salários mais elevados do que o primeiro-ministro. O Presidente exige que a desigualdade salarial seja “encarada na próxima legislatura”.

Incêndios florestais caíram 26% este ano face a 2018

“Estamos, até hoje, com 6.800 incêndios desde o início do ano, o que significa que temos um número de incêndios 36% inferior à média dos últimos dez anos. E uma área ardida 42% inferior à média dos últimos dez anos”, sublinhou Eduardo Cabrita.

Proteção Civil tem reservas de combustível para “mais de dois meses”

Apesar de garantir que existem reservas para mais de dois meses, Eduardo Cabrita sublinha que as prioridades têm de ser asseguradas quando se fala numa dificuldade de distribuição.
Comentários