Asgardia: Primeiro país espacial já tem 500 mil pedidos de cidadania

Asgardia será o nome da primeira nação espacial do planeta. Idealizada pelo russo Igor Ashurbeiyli, há 500 mil pessoas interessadas em habitar aqui.

Asgardia – nome escolhido em alusão a Asgaard, a morada dos deuses nórdicos, como Odin ou Thor – pretende ser a primeira nação espacial.

Idealizada como uma nação independente e reconhecida pelas Nações Unidas, onde todos os humanos seriam iguais, independente da sua nacionalidade, o projeto para criação deste país espacial está a ser desenvolvido pela companhia privada russa Aerospace International Research Center. Com sede em Viena, Áustria, é liderada pelo cientista e empresário russo Igor Ashurbeiyli, ex-presidente do Comité de Ciência e Espaço da UNESCO, que é o “pai” de Asgardia.

Os primeiros passos para a sua constituição estão a ser dados, devendo, em setembro próximo, ser lançada a “primeira pedra”: o microssatélite Asgardia-1 colocará no espaço os dados pessoais de todos os que se mostraram interessados em pertencer a esta nação espacial.

E não são poucos. O site da nação espacial revela existirem meio milhão de interessados em ser asgardianos, bem como perto de 203 mil pedidos de cidadania aceites pelo governo asgardiano, liderado, claro está, por Igor Ashurbeyli.

Dos planos de Asgardia fazem também parte o lançamento de um segundo satélite em 2018 e a construção de uma plataforma habitável no espaço, ainda sem data definida…

Recomendadas

“Desconhecida Num Comboio”

Jenny Diski pinta-nos uma América tão fascinante quanto repelente. Eis a sugestão de leitura desta semana da livraria Palavra de Viajante

Anjos penduram asas. Desfile da Victoria’s Secret vai deixar de se realizar

O cancelamento do desfile foi anunciado pela manequim Shanina Shaik, mas ainda não foi confirmado oficialmente pela marca. A super-modelo portuguesa Sara Sampaio já desfilou por diversas vezes com as famosas asas de anjo.

Cristiano Ronaldo enfurece sul-coreanos. Fãs querem compensação por “angústia mental”

De acordo com o jornal, a ‘superestrela’ foi contratada para jogar durante 45 minutos no jogo contra a equipa sul-coreana, mas Ronaldo permaneceu no banco de substituição durante os 90 minutos que o jogo demorou a acabar.
Comentários