Atenção: Tem mais 10 dias para acertar dívidas à Segurança Social

Prolongamento deste prazo é direcionado para contribuintes que aderiram ao PERES até 23 de dezembro.

Cristina Bernardo

O ministério da Segurança Social vai dar mais 10 dias úteis para os contribuintes acertarem as suas dívidas. O prolongamento do prazo para o pagamento dos documentos únicos de cobrança (DUC) serve apenas para os contribuintes que aderiam ao PERES até 23 de dezembro.

Numa nota enviada às redações, o gabinete do ministro António Vieira da Silva refere que vai “prorrogar o prazo para pagamento das dívidas à Segurança Social no âmbito do Programa Especial de Redução do Endividamento ao Estado (PERES), a todos os contribuintes que efetuaram a sua adesão até dia 23 de dezembro”.

Os contribuintes tinham até esta sexta-feira para pagarem as dívidas à Segurança Social. No entanto, “tendo em conta a forte adesão por parte dos contribuintes até ao dia 23 de dezembro, refletida no número de DUC emitidos pela Segurança Social”, o pagamento pode ainda ser efetuado “até ao dia 13 de janeiro de 2017”.

O programa PERES, lançado em novembro, permite aos cidadãos pagar impostos em atraso beneficiando de um perdão total de juros e de custos (caso tenham pago tudo de uma vez) ou parcial (se pagarem em prestações).

Até 23 de dezembro, 49 099 contribuintes aderiram ao programa PERES no âmbito da Segurança Social, tendo sido recuperados “aproximadamente 300 milhões de euros”.

De acordo com dados revelados pelo Ministério das Finanças, dos 1,144 mil milhões de euros de dívidas abrangidas, quase metade (511 milhões de euros) foram pagos este ano.

Ler mais
Recomendadas

Marcelo aprova aumentos de 700 euros para juízes, mas critica fosso salarial face aos polícias e militares

Marcelo Rebelo de Sousa destaca que os juízes, e membros de autoridades reguladoras e de supervisão a entidades públicas empresariais e empresas públicas, passando por outras entidades administrativas, já estão com salários mais elevados do que o primeiro-ministro. O Presidente exige que a desigualdade salarial seja “encarada na próxima legislatura”.

Incêndios florestais caíram 26% este ano face a 2018

“Estamos, até hoje, com 6.800 incêndios desde o início do ano, o que significa que temos um número de incêndios 36% inferior à média dos últimos dez anos. E uma área ardida 42% inferior à média dos últimos dez anos”, sublinhou Eduardo Cabrita.

Proteção Civil tem reservas de combustível para “mais de dois meses”

Apesar de garantir que existem reservas para mais de dois meses, Eduardo Cabrita sublinha que as prioridades têm de ser asseguradas quando se fala numa dificuldade de distribuição.
Comentários