Autorizados 1,7 milhões de euros para serviços de apoio à receção de pagamentos por multibanco à Segurança Social

O Governo autorizou 1,7 milhões de euros, até 2022, para serviços de banco de apoio para a receção de valores devidos à Segurança Social através de Terminais de Pagamento Automático (TPA), revela uma portaria hoje publicada.

O Conselho Diretivo do Instituto de Gestão Financeira da Segurança Social foi autorizado a assumir aqueles encargos orçamentais para os TPA (multibanco) instalados nas tesourarias do Instituto da Segurança Social.

Na portaria, a Secretária de Estado da Segurança Social, Cláudia Joaquim, classifica esta aquisição de serviços como “imprescindível” e revestindo caráter corrente e contínuo.

“Assim, prevê-se a celebração de um contrato pelo período de doze meses, com possibilidade de duas renovações por igual período, cuja despesa corresponde ao montante máximo global de 1.762.548,48 euros”, lê-se no diploma.

Na portaria, que entra em vigor na terça-feira, os encargos orçamentais são repartidos: 538,5 mil euros em 2019, 587,5 mil euros em 2020, 587,15 mil euros em 2021 e 48,9 mil euros em 2022.

Em março, a Segurança Social disponibilizou novas funcionalidades para os trabalhadores independentes e do serviço doméstico pagarem as contribuições por multibanco, passando a estar disponível o valor dos juros de mora para pagamentos em atraso.

As novas opções e funcionalidades para pagamento das contribuições através do Multibanco estão disponíveis para os trabalhadores independentes, do serviço doméstico, beneficiários do seguro social voluntário e produtores agrícolas dos Açores.

Ler mais
Relacionadas

Pensões atribuídas este ano pela Segurança Social vão ser recalculadas

As pensões atribuídas este ano pela Segurança Social vão ser recalculadas, de acordo com a portaria desta segunda-feira publicada em Diário da República, que permite revalorizar os salários que servem de base ao cálculo das pensões.

Prédios da Segurança Social serão transformados em casas com “rendas acessíveis”

As rendas deverão oscilar entre os 200 e os 600 euros e as casas em causa deverão começar a ser entregues aos novos moradores já em 2019.
Recomendadas

Como a Indústria 4.0 pode ajudar a criar a fábrica do futuro

A fábrica do futuro é o centro de uma cadeia de distribuição que combina clientes, fornecedores, distribuidores e parceiros com sistemas analíticos avançados. Isso pode levar a uma “produção perfeita” com o mínimo de tempo de inatividade, negligência, desperdício e ineficiência.

Sustentabilidade no investimento: menos risco, mais valor

Reduzir a quantidade de plásticos descartáveis ou viajar de comboio são duas formas de reduzir a nossa pegada ecológica. E no investimento, o que podemos fazer para reforçar a sustentabilidade?
Comentários