Avaliações do BCE provam “resiliência” dos bancos portugueses, diz Banco de Portugal

O Banco de Portugal considera que os resultados dos exames feitos pelo Banco Central Europeu (BCE) e pela Autoridade Bancária Europeia (EBA) demonstram a capacidade de resistência e os níveis de capitalização adequados dos bancos portugueses. “Os resultados do AQR [‘asset quality review’ – avaliação da qualidade de ativos] e do cenário base do teste […]


Notice: Undefined offset: 1 in /var/www/vhosts/staging.jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 876

Notice: Undefined offset: 2 in /var/www/vhosts/staging.jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 876

Notice: Undefined offset: 1 in /var/www/vhosts/staging.jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 876

Notice: Undefined offset: 2 in /var/www/vhosts/staging.jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 876

O Banco de Portugal considera que os resultados dos exames feitos pelo Banco Central Europeu (BCE) e pela Autoridade Bancária Europeia (EBA) demonstram a capacidade de resistência e os níveis de capitalização adequados dos bancos portugueses.

“Os resultados do AQR [‘asset quality review’ – avaliação da qualidade de ativos] e do cenário base do teste de esforço (2014-2016) permitem verificar a resiliência dos bancos portugueses abrangidos pelo exercício e demonstram que têm níveis de capitalização adequados”, lê-se no comunicado emitido pelo banco central português.

A entidade liderada por Carlos Costa realça que “em ambos os casos, todos os bancos registam rácios de capital superiores ao valor de referência de 8%”.

O BCE divulgou hoje os resultados das avaliações feitas a 130 bancos de 22 países europeus, entre os quais os portugueses Caixa Geral de Depósitos (CGD), Banco BPI e Banco Comercial Português (BCP).

De fora ficou, pelo menos para já, o Novo Banco, que deveria substituir o Banco Espírito Santo (BES) na lista das entidades portuguesas sob avaliação, mas cujos exames não foram concluídos a tempo de serem englobados na divulgação conjunta de resultados.

OJE/Lusa

Ler mais
Recomendadas

Como a Indústria 4.0 pode ajudar a criar a fábrica do futuro

A fábrica do futuro é o centro de uma cadeia de distribuição que combina clientes, fornecedores, distribuidores e parceiros com sistemas analíticos avançados. Isso pode levar a uma “produção perfeita” com o mínimo de tempo de inatividade, negligência, desperdício e ineficiência.

Sustentabilidade no investimento: menos risco, mais valor

Reduzir a quantidade de plásticos descartáveis ou viajar de comboio são duas formas de reduzir a nossa pegada ecológica. E no investimento, o que podemos fazer para reforçar a sustentabilidade?