AXA confirma aquisição da XL Group por 12.400 milhões de euros

A companhia francesa saiu de Portugal em 2016, quando a seguradora belga Ageas completou a operação de compra da Axa Portugal. Ainda assim, em janeiro, a Axa Investment Managers, anunciou que chegou a acordo para comprar o centro comercial Dolce Vita Tejo por aproximadamente 230 milhões de euros.

A multinacional francesa AXA vai mesmo comprar a seguradora norte-americana XL Group, cotada em Wall Street, por 12.400 milhões de euros, foi esta segunda-feira anunciado. Este investimento vai reforçar as operações da AXA no setor de seguros.

Esta aquisição – a mais cara desde que a AXA comprou a Swiss Winterthur por 8.9 mil milhões de euros, em 2006 – dará aos acionistas da companhia de seguros 46,8 euros por ação, o que representa um prémio de 33% sobre o preço da participação no fecho do mercado de sexta-feira. Ainda assim, a compra do XL Group terá de ser aprovada pelos acionistas da seguradora norte-americana pelas autoridades de mercado.

A XL Group é uma seguradora e resseguradora global, especializada em linhas comerciais P&C, com um valor de mercado de 11 mil milhões de dólares.

De acordo com o comunicado pela AXA, este negócio vai acelerar a estratégia da multinacional de francesa em expandir as suas operações até aos Estados Unidos e, possivelmente, entrar em Wall Street.

A AXA espera vir a ter um lucro, antes de impostos, de aproximadamente 325 milhões de euros em 2018, mesmo com a aquisição. O diretor operacional da XL Group, Greg Hendrick, será o CEO da empresa resultante deste negócio.

O CEO da AXA, Thomas Buberl, considerou o negócio “uma oportubnidade única para a AXA mudar o perfil do seu negócio predominantemente L&S (Lifestyle Protection e Crédito Hipotecário) para P&C”.

Já Mike McGavick, CEO da XL Group, vê o negócio como uma “oportunidade de crescer à escala, geograficamente e aumentar o portefólio de produtos”. Estamos entusiasmados”, contou.

Em novembro de 2017, a Axa anunciou que iria reduzir o seu foco de aquisições a 16 países-chave.

A Axa destacou 10 mercados desenvolvidos – como a Alemanha, a França, a Bélgica, Itália e Estados Unidos – e seis em mercados emergentes – Brasil, China, Indonésia, México, Filipinas e Tailândia – países que, no seu conjunto, representam quase 90% dos lucros da Axa.

A companhia francesa saiu de Portugal em 2016, quando a seguradora belga Ageas completou a operação de compra da Axa Portugal.

Ainda em Portugal, em janeiro, a Axa Investment Managers, subsidiária da seguradora francesa Axa, anunciou que chegou a acordo para comprar o centro comercial Dolce Vita Tejo por aproximadamente 230 milhões de euros. O shopping foi adquirido aos norte-americanos da Baupost e aos britânicos da Eurofund, que continuarão responsáveis pela gestão e operações do espaço.

Ler mais
Relacionadas

Axa em negociações avançadas para comprar a seguradora XL Group

Um acordo poderá ser anunciado nos próximos dias, acrescentou a Reuters.
Recomendadas

Inovação e empreendedorismo

Há que aplicar as novas tecnologias à cadeia de valor de uma empresa para que esta possa fornecer a melhor resposta ao cliente, conhecendo e focando-se nas necessidades que este tem. Neste ponto as startups representam uma mais-valia.

CGD avalia ações contra gestores que aprovaram crédito a Vale do Lobo

Advogados da CGD estão a avaliar ações cíveis contra gestores da administração de Santos Ferreira que deram ‘luz verde’ a operação Vale do Lobo. Parecer é entregue após o verão para decisão final.

JP Morgan bem posicionado para liderar entrada em bolsa da WeWork

Dona da WeWork vai emitir obrigações até seis mil milhões de dólares e fontes próximas da empresa revelaram que a instituição financeira que montar esta operação poderá ter papel ativo na entrada em bolsa da WeWork.
Comentários