Banca e energia levam PSI 20 para terreno negativo

A EDP e a EDP Renováveis voltaram às perdas, depois da recuperação desta terça-feira.

O PSI 20 negoceia esta quarta-feira em terreno negativo, pressionado pelos setores da banca e da energia e tendo invertido a tendência de abertura. O principal índice bolsista nacional desce 0,28% para 5.304,46 pontos, com 13 cotadas no vermelho, quatro no verde e duas inalteradas.

A liderar as perdas no PSI 20 estão as Unidades de Participação do Fundo de Participação do Montepio Geral, que caem 5,95% para 0,5850 euros, enquanto as ações do BCP caem 0,86% para 0,2315 euros.

Na energia, a EDP perde 0,28% para 3,2480 euros por ação e a EDP Renováveis desliza 0,24% para 6,9800 euros por ação. Esta terça-feira, as duas empresas terminaram a sessão com ganhos, a recuperar das quedas das sessões anteriores, depois de o CEO da casa-mãe, António Mexia ter explicado, em conferência de imprensa, que a EDP não recebeu benefícios em 2004 com a transformação dos contratos de aquisição de energia.

António Mexia, presidente da elétrica, e João Manso Neto, presidente da EDP Renováveis, foram constituídos arguidos por suspeitas de corrupção, a investigação aos contratos que transformaram os Contratos de Aquisição de Energia (CAE) em CMEC (custos de manutenção de equilíbrio contratual), o que tem penalizado as ações das empresas.

Em sentido contrário, a NOS valoriza 0,60% para 5,5340 euros, a Jerónimo Martins avança 0,59% para 17,8300 euros e a Novabase ganha 0,25% para 3,2050 euros.

Relacionadas

Energia recupera e impulsiona PSI 20

EDP, EDP Renováveis e REN recuperam da queda das duas últimas sessões. Pharol e Mota-Engil registam as maiores valorizações.

Ações da EDP recuperam após explicações de António Mexia

Os títulos da energética tinha caído nas últimas duas sessões com as notícias sobre a investigação sobre os CMEC. O CEO António Mexia, que é arguido por suspeita de corrupção, está a falar aos jornalistas, e as explicações estão a apoiar a cotação.
Recomendadas

PSI 20 acompanha Europa em alta. Títulos do Grupo EDP impulsionam praça nacional

O principal índice bolsista português soma 0,46%, para 4.855,54 pontos.

Abrandamento da economia poderá ser entrave para Moody’s igualar as pares na avaliação de Portugal

A Moody’s tem agendada uma avaliação à notação da dívida soberana portuguesa esta sexta-feira. A agência poderá querer alinhar-se com a S&P e a Fitch através de uma subida de um grau para ‘Baa2’, mas as incertezas que estão a esfriar o crescimento da economia global poderão ser motivo para manter o ‘status quo’.

Acalmia cambial trouxe bons resultados em Wall Street

O índice tecnológico S&P, .SPL.RCT, que inclui empresas que têm uma maior exposição ao mercado chinês e estiveram no centro das vendas registadas na segunda-feira, foi aquele que mais valorizou nesta sessão, com um crescimento de 1,61%.
Comentários