Banca italiana afunda e arrasta o BCP. Bolsa de Lisboa fecha ‘flat’

As principais praças europeias fecharam esta segunda-feira com ganhos. A grande exceção foi a Bolsa de Milão, que reagiu à incerteza após as eleições em Itália terem dado vitória ao partido eurocético Movimento 5 Estrelas.

Reuters

A Bolsa de Lisboa fechou esta segunda-feira com uma perda ligeira, apesar de ter negociado quase toda a sessão no verde e de as principais congéneres europeias terem registado ganhos. As ações italianas foram a exceção, com especial destaque para o tombo da banca, que penalizou o português BCP.

“Nesta primeira sessão da semana, a bolsa portuguesa terminou em ligeira baixa, numa sessão influenciada pela reação dos mercados europeus ao resultado das eleições em Itália”, explicam os analistas do BPI.

O PSI 20 recuou 0,03% para 5.365,66 pontos, influenciado pela queda de 3,24% para 0,302 euros das ações do banco liderado por Nuno Amado. “Apesar de a maioria das ações do PSI 20 ter encerrado em terreno positivo, a queda superior a 3% protagonizada pelo BCP não permitiu que o índice fechasse em alta. As ações do banco foram alvo de uma realização de mais-valias após os fortes ganhos alcançados na semana passada”, referem.

Toda o setor bancário na zona euro foi arrastado pela tendência na banca italiana. O índice FTSE Italia Banche cedeu 2,62% e o Euro Stoxx Banks recuou 0,56%.

Em Lisboa, do lado das quedas, destacou-se assim o tombo da Sonae Capital (5,72%) e dos CTT (2,36%). Em sentido contrário, a Altri liderou os ganhos (3,03%), seguida da Corticeira Amorim (1,95%) e da NOS (1,62%). Na energia, as ações da Galp avançaram 1,19% para 14,840 euros, as da EDP 0,39% para 2,800 euros e as da EDP Renováveis 1,13% para 7,165 euros.

Na Europa, o dia foi pintado a verde, com o índice Euro Stoxx 50 a ganhar 0,91%. O alemão DAX avançou 1,58%, o francês CAC 40 subiu 0,72%, o espanhol IBEX 35 ganhou 0,61% e o britânico FTSE 100 valorizou 0,62%.

Pelo contrário, o índice de referência italiano FTSE MIB recuou 0,38%, após as eleições deste domingo. “Enquanto o bom desempenho do anti-establishment Movimento Cinco Estrelas foi a história da noite, os resultados iniciais em Itália indicam um Parlamento em suspenso. A questão para os investidores é se a incerteza política vai ofuscar a melhoria dos fundamentais económicos do país”, explicou Neil Dwane, estratega global da AllianzGI.

No dia em que foram divulgados dados das compras de ativos pelo Banco Central Europeu (BCE) em fevereiro, os juros das dívidas soberanas a 10 anos na zona euro caem de forma generalizada. Na Alemanha, as yields recuaram para 0,80%, em França para 0,90%, em Espanha para 1,49% e em Portugal para 2%. Itália é, também neste campo, a exceção, com os juros a subirem para 2%.

No mercado cambial, o euro aprecia-se 0,11% para 1,233 dólares.

[Notícia atualizada às 17h05]

Ler mais

Relacionadas

Eleições penalizam mercados em Itália, mas zona euro continua indiferente

As ações italianas já estão a ser castigadas, com o índice milanês FTSE MIB a cair 1,20% para 21.654,50 pontos, num dia em que todas as congéneres europeias negoceiam no verde. A banca é o setor em destaque.

Guerra comercial de Trump contra o mundo penaliza Wall Street

Trump anunciou aumentos das taxas alfandegárias para a importação de aço e alumínio nos EUA. Esta segunda-feira, voltou ao Twitter para explicar que o Canadá e o México poderão ganhar isenções, mas há condições.

BCE comprou 489 milhões de euros em dívida portuguesa em fevereiro

Depois de em janeiro (primeiro mês do novo modelo do programa), Portugal não ter sido penalizado de forma significativa pela redução da compra de ativos, em fevereiro até aumentou.

Ficarão os mercados inundados de dívida por comprar nos próximos meses?

Espera-se este ano que, pela primeira vez em quatro anos, haja mais emissão de dívida pública do que aquisições pelos bancos centrais. A situação poderá aumentar o retorno dos títulos para os investidores, mas também os custos de financiamento para os emissores.
Recomendadas

PSI 20 acompanha Europa em alta. Títulos do Grupo EDP impulsionam praça nacional

O principal índice bolsista português soma 0,46%, para 4.855,54 pontos.

Abrandamento da economia poderá ser entrave para Moody’s igualar as pares na avaliação de Portugal

A Moody’s tem agendada uma avaliação à notação da dívida soberana portuguesa esta sexta-feira. A agência poderá querer alinhar-se com a S&P e a Fitch através de uma subida de um grau para ‘Baa2’, mas as incertezas que estão a esfriar o crescimento da economia global poderão ser motivo para manter o ‘status quo’.

Acalmia cambial trouxe bons resultados em Wall Street

O índice tecnológico S&P, .SPL.RCT, que inclui empresas que têm uma maior exposição ao mercado chinês e estiveram no centro das vendas registadas na segunda-feira, foi aquele que mais valorizou nesta sessão, com um crescimento de 1,61%.
Comentários