Banco do BCP na Polónia sobe lucros em 11% no primeiro semestre

O banco detido em 50,1% pelo BCP destacou que o lucro de cerca de 82,3 milhões de euros foi suportado pelo “crescimento do produto bancário superior ao dos custos operacionais”.

O Bank Millennium, banco polaco no qual o BCP detém 50,10%, registou uma subida de 11% no lucro líquido do primeiro semestre para 348 milhões de zlotys (82,3 milhões de euros), anunciou o BCP esta quinta-feira.

Destacou que os resultados formam suportados pelo “crescimento do produto bancário superior ao dos custos operacionais”. O produto bancário aumentou 5,4% em termos homólogos, superando o aumento dos custos operacionais no mesmo período (+4,0%), enquanto a margem financeira e as comissões cresceram em 6,2% e 2,4%, respetivamente, em termos homólogos.

O banco sublinhou ainda que a unidade polaca reduzido o custo do risco em 47 pontos base , enquanto o rácio de capital total consolidado (TCR) de 23,4% e rácio de CET1 (=T1) de 21,3% ficaram significativamente acima dos requisitos mínimos regulamentares.

Relacionadas

BCP apresenta os últimos resultados de Nuno Amado. Espera-se subida de 60% dos lucros e redução de NPL

O BPI espera um aumento dos lucros semestrais do BCP de 60% para 144 milhões de euros nos seis meses e um aumento no primeiro semestre da margem financeira de 2% para 693 milhões. Hoje são apresentados os resultados do primeiro semestre do BCP. São os últimos números de Nuno Amado, apresentados por Miguel Maya, o novo CEO.
Recomendadas

Inovação e empreendedorismo

Há que aplicar as novas tecnologias à cadeia de valor de uma empresa para que esta possa fornecer a melhor resposta ao cliente, conhecendo e focando-se nas necessidades que este tem. Neste ponto as startups representam uma mais-valia.

CGD avalia ações contra gestores que aprovaram crédito a Vale do Lobo

Advogados da CGD estão a avaliar ações cíveis contra gestores da administração de Santos Ferreira que deram ‘luz verde’ a operação Vale do Lobo. Parecer é entregue após o verão para decisão final.

JP Morgan bem posicionado para liderar entrada em bolsa da WeWork

Dona da WeWork vai emitir obrigações até seis mil milhões de dólares e fontes próximas da empresa revelaram que a instituição financeira que montar esta operação poderá ter papel ativo na entrada em bolsa da WeWork.
Comentários