Banco Mundial: economia vai crescer entre 2,7% e 2,9% até ao próximo ano

O Banco Mundial prevê uma desaceleração da economia na China, de 6,7% em 2016 para 6,5% este ano e 6,3% em 2018.

A economia mundial vai registar um crescimento este ano e no próximo impulsionada pela estabilização do preço das matérias-primas e por uma retoma do comércio global, estimou esta segunda-feira o Banco Mundial. As previsões da organização, veiculadas pela agência Lusa, dão conta de que a economia mundial crescerá 2,7% este ano e 2,9% em 2018.

Ainda este ano, nos 19 países da Zona Euro, a economia irá crescer globalmente 1,7%, enquanto nos Estados Unidos da América o crescimento será de 2,1% e no Japão de 1,5%. Para a China, o Banco Mundial prevê uma desaceleração da economia, na ordem dos 6,7% em 2016 para 6,5% este ano e 6,3% em 2018.

Quanto ao comércio global, deverá registar um crescimento expectável de 4% em 2017. Ainda assim, o Banco Mundial diz que esta recuperação da economia ainda é “frágil” e avisa para os riscos de políticas protecionistas, para as situações de conflitos geopolíticos e para as repercussões financeiras do possível aumento das taxas de juro nos Estados Unidos.

Segundo o economista Ayhan Kose, que assina estas previsões do Banco Mundial, os países devem aproveitar para promulgar reformas que possam melhorar a produtividade, nomeadamente que eliminem burocracia e promoção uma maior concorrência entre empresas. “Este é um bom momento para empreender políticas que tornarão essas economias mais resilientes”, refere o responsável da entidade.

Relacionadas

Economista do Banco Mundial suspenso depois de exigir emails mais curtos

Paul Romer pediu à equipa de investigação para cortar o uso da palavra “e” em relatórios ou emails e escrever mais sucintamente e de forma clara.

Cibercrime: como os ‘hackers’ estão a ameaçar a economia mundial

Os custos do cibercrime serão de 2,1 triliões de dólares até 2019, o equivalente a três por cento do PIB mundial. As consequências de um ataque cibernético para as empresas são devastadoras e, ainda há uma semana, mais de 200 mil computadores de 150 países foram afetados por um vírus.

Transição para a economia de baixo carbono já começou e não há forma de a travar

Sofia Santos, secretária geral do BCSD Portugal – Conselho Empresarial para o Desenvolvimento Sustentável, refere que ao contrário do que defendeu Donald Trump, o Acordo de Paris não bloqueia o desenvolvimento das energias limpas.
Recomendadas

Como a Indústria 4.0 pode ajudar a criar a fábrica do futuro

A fábrica do futuro é o centro de uma cadeia de distribuição que combina clientes, fornecedores, distribuidores e parceiros com sistemas analíticos avançados. Isso pode levar a uma “produção perfeita” com o mínimo de tempo de inatividade, negligência, desperdício e ineficiência.

Sustentabilidade no investimento: menos risco, mais valor

Reduzir a quantidade de plásticos descartáveis ou viajar de comboio são duas formas de reduzir a nossa pegada ecológica. E no investimento, o que podemos fazer para reforçar a sustentabilidade?
Comentários