Bancos estão a recusar empréstimos a estudantes cujo fiador é o Estado

Os bancos estão a recusar empréstimos a estudantes cujo fiador é o Estado, avança o jornal Público esta quarta-feira, 7 de agosto. No espaço de seis meses, mais de 500 alunos recorrem a esta linha de crédito bonificado para pedir 5,5 milhões de euros aos bancos. Mas nem todos conseguiram obter empréstimos, tal como no […]

Os bancos estão a recusar empréstimos a estudantes cujo fiador é o Estado, avança o jornal Público esta quarta-feira, 7 de agosto. No espaço de seis meses, mais de 500 alunos recorrem a esta linha de crédito bonificado para pedir 5,5 milhões de euros aos bancos.

Mas nem todos conseguiram obter empréstimos, tal como no caso de Joana Martins, 20 anos, estudante de enfermagem. “Solicitaram-me vários documentos, alguns dos quais acarretaram custos, mas entreguei tudo. Contudo, ao fim de 10 dias, o banco comunicou-me que o crédito teria sido recusado, com a justificação de que eu não apresentava rendimentos”, contou Joana Martins ao Público.

O Governo foi apanhado de surpresa com esta situação, levando o Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior (MCTES) a questionar a Sociedade Portuguesa de Garantia Mútua (SPGM), entidade que gere o processo.

A própria Federação Académica de Lisboa revelou ter tido já o conhecimento de “vários casos” semelhantes.

Estes empréstimos podem ter um montante máximo de 30 mil euros, sem nunca ultrapassar os cinco mil euros por ano que são disponibilizados em tranches mensais de valor igual nas contas dos alunos.

Recomendadas

Como a Indústria 4.0 pode ajudar a criar a fábrica do futuro

A fábrica do futuro é o centro de uma cadeia de distribuição que combina clientes, fornecedores, distribuidores e parceiros com sistemas analíticos avançados. Isso pode levar a uma “produção perfeita” com o mínimo de tempo de inatividade, negligência, desperdício e ineficiência.

Sustentabilidade no investimento: menos risco, mais valor

Reduzir a quantidade de plásticos descartáveis ou viajar de comboio são duas formas de reduzir a nossa pegada ecológica. E no investimento, o que podemos fazer para reforçar a sustentabilidade?
Comentários