Barómetro de Confiança no Sector Industrial: intenções de transações em níveis quase record

Considerando que 99% dos executivos de empresas industriais veem a economia global e o mercado de M&A como estável ou a melhorar, estima-se que o número de transações permaneça robusto nos próximos 12 meses.

A recuperação a curto-prazo da economia oferece uma solução para os acionistas que procuraram maiores retornos. No entanto, os industriais devem estar atentos à criação de valor sustentável a longo-prazo através de aquisições, alianças e investimentos, mesmo que as avaliações continuem altas. Na viragem para o novo ano, verificamos que as intenções de transações continuam em níveis record. Com 59% das empresas industriais a procurar aquisições no próximo ano, o otimismo prevalece no setor de forma global. Em parte, esse resultado não é surpreendente, uma vez que M&A é necessária para suportar um crescimento superior ao da média do setor, que permanece a par do PIB. As empresas industriais apresentam indicadores sólidos e querem obter quota de mercado e adquirir de tecnologias inovadoras. Assim, estas empresas continuam motivadas para adquirir ou fundir-se. E esse apetite por transações é um bom presságio para os mercados, já que o setor industrial é muitas vezes um indicador importante de como os mercados responderão às pressões económicas.

Existe uma mudança importante no tipo de consolidação a acontecer no seio do setor industrial. Ao invés de se concentrarem em ganhar escala, como em ciclos de M&A anteriores, os industriais estão a aumentar os seus lucros alicerçados em portfólios mais focados no seu negócio core. Grandes transações seletivas, seguidas de spin-offs estratégicos, continuarão a moldar o setor à medida que se protege a quota de mercado. Esse padrão oferece uma ocasião para todos os players do setor industrial beneficiarem. Desinvestimentos e spin-offs criam portfólios mais focados que geram retornos maiores para os acionistas, enquanto decorrem spin-offs de ativos não core.

Os compradores estão a gerir os ativos de forma integrada em portfólios focados, onde é provável que tenham mais apoio. À medida que esta nova onda de consolidação se desenrola, antecipa-se um setor com mais empresas focadas no seu negócio core e menos diversificadas.

O cenário macroeconómico e as perspetivas de M&A

A aceleração nos mercados desenvolvidos tem estado assente num cenário económico dinâmico, no qual as intenções de transacionar a manter-se em níveis record.

-99% dos executivos industriais consideram a economia global como estando estável ou em crescimento;

-99% dos executivos industriais consideram o mercado de M&A como estando estável ou em crescimento;

-59% das empresas industriais têm como objetivo procurar potenciais aquisições no decurso do próximo ano, comparativamente a um rácio de 53% no ano anterior.

Crescimento e estratégia de portfolio

As empresas têm vindo a reconhecer a necessidade de uma estratégia de crescimento clara e inclusiva, na qual o ativismo dos acionistas tem vindo a aumentar e onde surgem cada vez mais transações combinadas com o digital na vanguarda do processo de decisão.

-43% das empresas estimam aumentar a competição pelos ativos;

-90% estimam que o número de empresas impactadas pelo ativismo de acionistas para aumentar ou manter-se;

-47% das empresas industriais revêm os seus portfolios de forma contínua ou numa base trimestral.

Transformação digital

Os executivos pretendem estar na linha da frente, enfrentando a disrupção ao construir modelos de capital de risco para investir no futuro.

-27% das empresas industriais vêm o foco do setor distorcer-se à medida que os seus concorrentes expandem a sua oferta de produtos e serviços;

-49% consideram o impacto da tecnologia digital no seu modelo de negócio e ameaças de concorrentes desenvolvidos digitalmente, como uma força disruptiva que impacta o seu setor;

-56% desenvolveram armas de capital de risco para melhorar o acesso a capacidades e tecnologias.

Ler mais

Se tem interesse em receber comunicação da EY Portugal (Convites, newsletters, estudos, etc), por favor Clique aqui

Recomendadas

Vídeos sapo

vídeos sapo vídeos sapo vídeos sapo vídeos sapo vídeos sapo vídeos sapo vídeos sapo vídeos sapo vídeos sapo vídeos sapo vídeos sapo vídeos sapo vídeos sapo vídeos sapo vídeos sapo vídeos sapo vídeos sapo vídeos sapo vídeos sapo vídeos sapo

O “novo” regime de dedução de gastos de financiamento líquidos – questões práticas

O regime de dedução de gastos de financiamento líquidos (“GFL”), em traços gerais, limita a dedução daqueles gastos para efeitos do apuramento do lucro tributável, em sede de IRC, até ao maior de dois patamares: Euro 1.000.000 ou 30% do resultado antes de depreciações, amortizações, GFL e impostos, ajustado para efeitos fiscais (“EBITDA fiscal”). A […]

Fatores que contribuem para o sucesso de uma transação

Num contexto de dinamismo no mercado de Fusões e Aquisições (M&A) em Portugal, e como profissionais na área, temos assistido a que, por vezes, a falta de preparação e experiência das estruturas acionistas, especialmente em PME (que muitas vezes são estruturas familiares), condicionam o sucesso de uma transação. Nesse sentido, gostaríamos de elencar alguns dos […]
Comentários