Barómetro de Confiança no Sector Industrial: transformação de portfólio surge como tema dominante

As empresas industriais mantêm competitivo o mercado de M&A graças à transformação de portfólio e automação.

O nosso relatório de M&A de 2018, Global Capital Confidence Barometer, mostra que a transformação de portfólio tem ajudado as empresas industriais a enfrentarem a onda de disrupção do mercado e a permanecerem competitivas.

– 73% dos executivos consideram que a transformação de portfólio é o tema dominante da agenda;

71% dos executivos identificou um ativo em risco ou com baixo desempenho para alienar durante a mais recente revisão do seu portfólio.

A transformação de portfólio surge como tema dominante nesta edição do Global Capital Confidence Barometer para empresas industriais. À medida que se preparam para um crescimento de médio-longo prazo, 73% dos executivos industriais indicam que a transformação de portfólio é o tema prioritário na estratégia das empresas. 72% planeiam alienar operações no próximo ano, sendo que os ativos com baixo desempenho ou em risco de disrupção são mais propensos a serem alienados. Nos últimos três anos, 29% das empresas industriais aumentaram a frequência das revisões de portfólio, sendo que um terço afirma fazê-lo em resultado de ameaças de concorrentes mais habilitados digitalmente e de startups.

Empresas industriais interessadas no uso de RPA, AI, big data e analytics

Muitas empresas industriais têm estado na vanguarda da adoção de tecnologias como a automação na fabricação. De forma geral, os executivos industriais estão na linha da frente quando se trata de considerar tecnologias mais novas e orientadas digitalmente, como a automação de processos robóticos (RPA) e a inteligência artificial (AI). De facto, as empresas industriais são significativamente mais propensas a identificar AI e RPA como tecnologias prioritárias do que a média global (57% das empresas industriais vs. 46% das empresas globais). À medida que os líderes de mercado implementam a automação para tornar as operações mais eficientes e competitivas, os processos de produção estão a ser profundamente afetados, tornando-se mais escaláveis, com soluções disponíveis a preços mais baixos. Enquanto isso, um quarto das empresas industriais (24%) identificou o cloud computing e o big data como tecnológicas prioritárias.

Perspetivas de M&A permanecem positivas apesar do aumento da concorrência

Ao mesmo tempo, as empresas industriais continuam a ter uma visão confiante sobre o mercado de M&A, com 87% dos executivos a descrevê-lo como estando melhor. A confiança mantém-se forte, mesmo perante desafios crescentes, como o aumento da concorrência de fundos de private equity e compradores corporativos. Quando 74%, no último ano, de executivos industriais optaram por abandonar transações, a concorrência e a discordância de preços foram os principais motivos (citado por 53%), seguidos por preocupações regulatórias e antitrust (25%). Apesar destes desafios, a maioria dos industriais espera que os seus negócios e as taxas de realização de negócios aumentem. Metodologias sofisticadas para pesquisar potenciais alvos suportarão este crescimento, juntamente com técnicas e análises de due diligence para avaliar as aquisições planeadas.

Aumento a acordos transfronteiriços em resposta à incerteza

Os executivos industriais preveem um aumento de negócios transfronteiriços de M&A nos próximos 12 meses. A incerteza política e as tensões geopolíticas, citadas por 93% dos executivos como o maior risco a curto prazo para o crescimento dos seus negócios, podem estar a despertar o interesse. Acordos transfronteiriços permitem que as empresas industriais operem em vários países, proporcionando flexibilidade quando as políticas comerciais se tornam restritivas. Estes acordos também permitem a co-localização da fabricação mais próxima dos principais clientes.

Ler mais

Se tem interesse em receber comunicação da EY Portugal (Convites, newsletters, estudos, etc), por favor Clique aqui

Recomendadas

Vídeos sapo

vídeos sapo vídeos sapo vídeos sapo vídeos sapo vídeos sapo vídeos sapo vídeos sapo vídeos sapo vídeos sapo vídeos sapo vídeos sapo vídeos sapo vídeos sapo vídeos sapo vídeos sapo vídeos sapo vídeos sapo vídeos sapo vídeos sapo vídeos sapo

O “novo” regime de dedução de gastos de financiamento líquidos – questões práticas

O regime de dedução de gastos de financiamento líquidos (“GFL”), em traços gerais, limita a dedução daqueles gastos para efeitos do apuramento do lucro tributável, em sede de IRC, até ao maior de dois patamares: Euro 1.000.000 ou 30% do resultado antes de depreciações, amortizações, GFL e impostos, ajustado para efeitos fiscais (“EBITDA fiscal”). A […]

Fatores que contribuem para o sucesso de uma transação

Num contexto de dinamismo no mercado de Fusões e Aquisições (M&A) em Portugal, e como profissionais na área, temos assistido a que, por vezes, a falta de preparação e experiência das estruturas acionistas, especialmente em PME (que muitas vezes são estruturas familiares), condicionam o sucesso de uma transação. Nesse sentido, gostaríamos de elencar alguns dos […]
Comentários