Bastonário da Ordem dos Médicos prevê novas demissões nos hospitais

Na sequência da demissão, ocorrida ontem, de 16 chefes de medicina do Hospital de São José, em Lisboa (Serviços Hospitalares de Lisboa Central), Miguel Guimarães admitiu que “um conjunto de demissões “podem acontecer a qualquer momento em qualquer hospital”.

Bastonário da Ordem dos Médicos, Miguel Guimarães

Miguel Guimarães, Bastonário da Ordem dos Médicos, disse hoje, dia 7 de julho, em declarações à RTP1, que acredita que vão ocorrer novas demissões de equipas de médicos nos hospitais nacionais.

Na sequência da demissão, ocorrida ontem, de 16 chefes de medicina do Hospital de São José, em Lisboa (Serviços Hospitalares de Lisboa Central), Miguel Guimarães admitiu que “um conjunto de demissões “podem acontecer a qualquer momento em qualquer hospital”.

O Bastonário da Ordem dos Médicos explicou que esta situação poderá ocorrer porque os médicos, diretores clínicos e de serviços hospitalares, “não podem assumir uma responsabilidade desta natureza sem terem, de facto, o apoio do Ministério da Saúde.

Os médicos demissionários no Hospital de São José, diretores de serviços e diretores clínicos, queixam-se da falta de condições nos serviços de urgência e da falta de recursos humanos, além de sublinharem a necessidade de adoção de um plano de catástrofe.

A demissão destes responsáveis do Hospital de São José levou já o Bloco de Esquerda a solicitar uma audição de urgência na Assembleia da república.

 

Ler mais
Recomendadas

“Dietas milagrosas” contrariam forma saudável de perder peso, alerta Deco

Para perder peso e manter a saúde, a dieta deve ser variada, eliminar os alimentos hipercalóricos, contemplar nunca menos de 1200 quilocalorias diárias (no caso das mulheres) e 1500 quilocalorias (no caso dos homens).

Gastos irregulares de cinco hospitais públicos sob suspeita

Inspeção-Geral das Atividades em Saúde realizou auditorias a cinco hospitais públicos e encontrou gastos irregulares no valor de 23,5 milhões de euros. 

Saúde. Privados investem 750 milhões de euros na criação de 19 hospitais até 2020

O grande reforço da oferta privada é em Lisboa e no Porto. Mas também há uma aposta em novas regiões como na Madeira, Açores, Vila Real ou Viseu, de acordo com o presidente da Associação Portuguesa de Hospitalização Privada, Óscar Gaspar.
Comentários