BCE veio às compras a Portugal e levou dívida

O Banco Central Europeu (BCE) já adquiriu dívida de entidades privadas de países como Portugal, Espanha, França, Itália e Alemanha desde que arrancou na segunda-feira com um programa alargado de compra de obrigações, avançou hoje a Bloomberg. A agência de informação financeira não especifica os valores envolvidos, citando fontes próximas das operações, que pediram para […]

O Banco Central Europeu (BCE) já adquiriu dívida de entidades privadas de países como Portugal, Espanha, França, Itália e Alemanha desde que arrancou na segunda-feira com um programa alargado de compra de obrigações, avançou hoje a Bloomberg.

A agência de informação financeira não especifica os valores envolvidos, citando fontes próximas das operações, que pediram para não ser identificadas, até porque o BCE vai divulgar na próxima segunda-feira (27 de outubro) os montantes de dívida privada adquirida no âmbito deste seu novo programa de compra de ativos.

A investida do BCE no mercado de dívida privada, em que se destacam as obrigações de bancos de vários países da zona euro, tem sido refletida na queda dos juros da dívida soberana dos países da moeda única, entre os quais, Portugal.

Além de manter a taxa de juro no mínimo histórico de 0,05%, o BCE anunciou em Nápoles, no início deste mês, mais pormenores sobre os programas de compra de dívida privada, designadamente que estes vão estar em vigor durante dois anos.

O pacote do BCE inclui a compra de ativos ABS (asset-backed securities) e de créditos hipotecários em euros emitidos por instituições financeiras da zona euro.

A 4 de setembro, o BCE tinha reduzido a taxa de juro diretora para 0,05%, um novo mínimo histórico, e anunciou que iria lançar um programa de compra de dívida privada para apoiar o mercado de crédito e dinamizar a economia da zona euro, mas sem precisar o montante.

 

OJE/Lusa

Ler mais
Recomendadas

Como a Indústria 4.0 pode ajudar a criar a fábrica do futuro

A fábrica do futuro é o centro de uma cadeia de distribuição que combina clientes, fornecedores, distribuidores e parceiros com sistemas analíticos avançados. Isso pode levar a uma “produção perfeita” com o mínimo de tempo de inatividade, negligência, desperdício e ineficiência.

Sustentabilidade no investimento: menos risco, mais valor

Reduzir a quantidade de plásticos descartáveis ou viajar de comboio são duas formas de reduzir a nossa pegada ecológica. E no investimento, o que podemos fazer para reforçar a sustentabilidade?