BCP prevê sair da Rua do Ouro em setembro

A saída do BCP da Rua do Ouro está prevista para setembro. Os destino dos trabalhadores do BCP da Rua do Ouro é o Tagus Park. O BCP é o terceiro banco a pôr à venda os emblemáticos e pombalinos edifícios da Baixa de Lisboa.

Cristina Bernardo

O BCP está em processo de venda do quarteirão na Rua do Ouro. Segundo o Eco, o comprador é o Grupo de hotéis Sana.

O Jornal Económico sabe que a saída do BCP da Rua do Ouro está prevista para setembro.  Os destino dos trabalhadores do BCP da Rua do Ouro é o Tagus Park.

O edíficio do Millennium BCP da Baixa (um dos dois, porque o outro é o da Rua Augusta) tem seis pisos, com uma área total que ronda os 8.850 metros quadrados e ocupa quase um quarteirão, entre a Rua do Ouro, a Rua de São Nicolau e a Rua dos Sapateiros.

O BCP segue assim os passos do BPI que anunciou em janeiro deste ano a venda do emblemático  edifício na Baixa e que tem frentes para a Rua Augusta, Rua de São Julião, Rua do Comércio e Rua do Ouro. A sede do BPI na Baixa é agora denominado Augusta Lisbon. O ativo é delimitado por quatro das mais importantes ruas da Baixa – nomeadamente a Rua Augusta, Rua do Ouro, Rua do Comércio e Rua de São Julião – e tem uma área bruta de construção de 11.100 mtotal, é composto por cinco edifícios do século XVIII, de arquitetura pombalina, e a venda ficou a cargo da imobiliária JLL.

A  Caixa Geral de Depósitos (CGD) está também a a vender um edifício da Rua do Ouro, que ocupa um quarteirão inteiro na Baixa de Lisboa. O negócio, inserido na estratégia de redução do peso dos ativos imobiliários que o banco público tem em curso, deverá render perto de 60 milhões de euros.

O quarteirão, a escassos metros do Terreiro do Paço, será comercializado pela consultora Cushman & Wakefield (C&W), segundo a notícia avançada pelo jornal Expresso

Os bancos também têm estado a aproveitar o bom momento que o imobiliário nacional e o turismo estão a atravessar para vender os edifícios nas zonas turísticas.

Ler mais
Recomendadas

Inovação e empreendedorismo

Há que aplicar as novas tecnologias à cadeia de valor de uma empresa para que esta possa fornecer a melhor resposta ao cliente, conhecendo e focando-se nas necessidades que este tem. Neste ponto as startups representam uma mais-valia.

CGD avalia ações contra gestores que aprovaram crédito a Vale do Lobo

Advogados da CGD estão a avaliar ações cíveis contra gestores da administração de Santos Ferreira que deram ‘luz verde’ a operação Vale do Lobo. Parecer é entregue após o verão para decisão final.

JP Morgan bem posicionado para liderar entrada em bolsa da WeWork

Dona da WeWork vai emitir obrigações até seis mil milhões de dólares e fontes próximas da empresa revelaram que a instituição financeira que montar esta operação poderá ter papel ativo na entrada em bolsa da WeWork.
Comentários