BES: BdP acusa ex-administrador de desviar fundos para Ricardo Salgado

O esquema consistia na apropriação do diferencial entre o que os clientes pagaram e o que o BES recebia, através da sociedade suíça Eurofin, revela a acusação do Banco de Portugal, a que o Expresso teve acesso.

Rafael Marchante/Reuters

O ex-administrador financeiro do Banco Espírito Santos (BES), Amílcar Morais Pires, terá sido o responsável pelo esquema financeiro que permitiu a Ricardo Salgado tirar três mil milhões de euros do banco, entre 2009 e 2014. O plano terá sido executado com o apoio da então diretora Isabel Almeida, segundo a acusação do Banco de Portugal (BdP), a que o Expresso teve acesso.

Morais Pires “concebeu, deu instruções para a implementação e acompanhou a execução de um plano, o qual foi aprovado e acompanhado (…) por Ricardo Salgado”, refere o documento de 400 páginas, segundo o semanário. O esquema consistia na apropriação do diferencial entre o que os clientes pagaram e o que o BES recebia, através da sociedade suíça Eurofin.

A acusação do Banco de Portugal refere ainda que as operações foram levadas a cabo sem conhecimento dos outros administradores. Os benefícios terão sido usados “em larga medida” para o ‘saco azul’ do Grupo Espírito Santo (GES), mas também para pagamentos a amigos e familiares, ocultar ativos tóxicos e participações estratégicas, e manipular a cotação das ações do BES.

Recomendadas

Inovação e empreendedorismo

Há que aplicar as novas tecnologias à cadeia de valor de uma empresa para que esta possa fornecer a melhor resposta ao cliente, conhecendo e focando-se nas necessidades que este tem. Neste ponto as startups representam uma mais-valia.

CGD avalia ações contra gestores que aprovaram crédito a Vale do Lobo

Advogados da CGD estão a avaliar ações cíveis contra gestores da administração de Santos Ferreira que deram ‘luz verde’ a operação Vale do Lobo. Parecer é entregue após o verão para decisão final.

JP Morgan bem posicionado para liderar entrada em bolsa da WeWork

Dona da WeWork vai emitir obrigações até seis mil milhões de dólares e fontes próximas da empresa revelaram que a instituição financeira que montar esta operação poderá ter papel ativo na entrada em bolsa da WeWork.
Comentários