Bienal de Veneza: Souto de Moura vence Leão de Ouro

Souto de Moura foi distinguido pelo complexo turístico de São Lourenço do Barrocal, no qual o arquiteto recuperou um monte alentejano e o converteu em hotel.

O arquiteto Eduardo Souto de Moura foi galardoado este sábado com um Leão de Ouro, a maior distinção atribuída na Bienal de Arquitetura de Veneza. O prémio é conferido pelo júri da exposição ao melhor participante na mostra internacional, que tem este ano o espaço livre como tema.

Souto de Moura foi distinguido pelo complexo turístico de São Lourenço do Barrocal, no qual o arquiteto recuperou um monte alentejano e o converteu em hotel. Há 71 arquitetos na exposição, que é comissariada pelas arquitectas irlandesas Yvonne Farrell e Shelley McNamara (Grafton Architects).

Além de Souto de Moura, há ainda outros dois arquitetos portugueses, Álvaro Siza e Inês Lobo, a participarem na 16.ª Exposição Internacional de Arquitetura da Bienal de Veneza. O evento abriu este sábado ao público, na cidade italiana, e irá decorrer até ao dia 25 de novembro.

Ler mais
Relacionadas

Souto de Moura diz que Leão de Ouro reconhece “valor e nível da arquitetura portuguesa”

“É mais uma [distinção], estou contente pela arquitetura portuguesa, que cada vez é mais reconhecida nos sítios que exigem mais qualidade”, afirmou Souto de Moura em declarações à agência Lusa após ter sido distinguido com um Leão de Ouro na 16.ª Exposição Internacional de Arquitetura da Bienal de Veneza.
Recomendadas

Carocha: Afinal, o carro do povo não morreu

Ao fim de oito décadas, o veículo que atravessou diversos momentos históricos chegou ao fim de uma longa estrada. O Carocha foi um símbolo do renascimento económico da Alemanha do pós-guerra e foi um sucesso de vendas nos Estados Unidos. Em Portugal, o espírito continua bem vivo: além de um hino, são vários os clubes e os colecionadores que guardam relgiosamente um modelo que pode valer mais de 100 mil euros.

Ângelo Girão: o comendador que mete medo aos avançados

Meses depois de ser campeão europeu de clubes pelo Sporting, realizou o sonho de tornar Portugal campeão mundial. O fim do jejum que durava desde 2003 deveu-se em grande parte ao guarda-redes de 29 anos que provou, uma vez mais, que não existe ninguém melhor a evitar que os sticks levem a bola para dentro da baliza. Os argentinos, espanhóis e italianos podem confirmá-lo.

Assembleia da República: Maioria absoluta masculina, acima dos 50 e recém-chegada

A XIII Legislatura, que está quase a terminar, não fica só marcada pela “geringonça”. Ao longo dos últimos quatro anos os portugueses foram representados por um Parlamento tão envelhecido quanto inexperiente no desempenho de funções. Aqui está a radiografia dos nossos deputados.
Comentários