Bloco de Esquerda congratula-se com requalificação do IP3 entre Coimbra e Viseu

O Bloco de Esquerda (BE) congratulou-se hoje com “a opção política tomada pelo Governo de requalificar o IP3” entre Coimbra e Viseu, mas lamentou que a execução da intervenção, que é urgente, se prolongue por quatro anos.

As comissões coordenadoras distritais de Coimbra e de Viseu do BE ”congratulam-se, genericamente, com a opção política tomada pelo Governo em requalificar o IP3 (85% em perfil de autoestrada), requalificação que é assumida como sendo de iniciativa pública e de execução faseada no âmbito do Orçamento do Estado” e sem “custos imediatos ou futuros para os utilizadores”, afirmam as duas estruturas partidárias, numa nota enviada hoje à agência Lusa.

“O abandono definitivo do projeto (do Governo anterior e dos partidos da direita) de transformar o IP3 numa parceria pública privada (PPP)” merece o aplauso das duas coordenadoras distritais do partido, por significar “o empenho no desenvolvimento do interior e o reconhecimento da inexistência de alternativas de mobilidade naquele percurso”.

Os bloquistas lamentam, no entanto, que a decisão, recentemente anunciada pelo ministro do Planeamento e Infraestruturas, Pedro Marques, “não tenha sido tomada há mais tempo e que o seu prazo de execução previsto se estenda por quatro anos”.

Trata-se de um espaço de tempo “muito longo para a urgência da resolução de um problema que se foi arrastando ao longo de muitos anos, com perda de muitas vidas e com elevados custos para os sinistrados”, salienta o BE, que “lamenta que o projeto implique a persistência de 12% do percurso em perfil de 2+1 faixas e que 03% do percurso conserve apenas uma faixa em cada sentido”.

As coordenadoras distritais de Coimbra e de Viseu “reconhecem a importância do apoio a este projeto da generalidade das autarquias” e comunidades intermunicipais (CIM) das zonas de Coimbra e de Viseu, “bem como de associações empresariais, convergentes na ideia de que uma via rodoviária com portagem seria uma péssima solução para o desenvolvimento económico desta sub-região”.

Esta intervenção não dispensa, no entanto, “a necessidade de incluir no projeto de ligação de Coimbra a Viseu a execução de raiz de um troço complementar, mais a sul”, no seguimento da A13 (autoestrada que liga Coimbra a Tomar) entre o nó de Ceira (Coimbra) e o nó da Lagoa Azul (barragem da Agueira), em perfil de autoestrada, mas sem portagem, sustenta o BE.

Este lanço, dando continuidade à A13, “afigura-se como importante alternativa de mobilidade para as populações e as empresas da generalidade dos concelhos dos distritos de Coimbra e de Viseu, que têm sido prejudicadas, quer pelo desinvestimento na rede ferroviária, quer pelo envelhecimento das antigas estradas como a EN17” (via vulgarmente também conhecida por Estrada da Beira).

A necessidade do troço sul do IP3 é “reforçada não só porque completa a ligação a Viseu prevista na A13, contornando Coimbra por nascente, mas também porque surge como percurso alternativo ao troço entre Penacova e Lagoa Azul, que, segundo o projeto [de requalificação do IP3 entre Coimbra e Viseu], será exatamente aquele que ficará limitado pelo estreitamento da via”, destacam ainda as coordenadoras de Coimbra e de Viseu do BE.

 

 

Ler mais
Recomendadas

Marcelo aprova aumentos de 700 euros para juízes, mas critica fosso salarial face aos polícias e militares

Marcelo Rebelo de Sousa destaca que os juízes, e membros de autoridades reguladoras e de supervisão a entidades públicas empresariais e empresas públicas, passando por outras entidades administrativas, já estão com salários mais elevados do que o primeiro-ministro. O Presidente exige que a desigualdade salarial seja “encarada na próxima legislatura”.

Incêndios florestais caíram 26% este ano face a 2018

“Estamos, até hoje, com 6.800 incêndios desde o início do ano, o que significa que temos um número de incêndios 36% inferior à média dos últimos dez anos. E uma área ardida 42% inferior à média dos últimos dez anos”, sublinhou Eduardo Cabrita.

Proteção Civil tem reservas de combustível para “mais de dois meses”

Apesar de garantir que existem reservas para mais de dois meses, Eduardo Cabrita sublinha que as prioridades têm de ser asseguradas quando se fala numa dificuldade de distribuição.
Comentários