Boeing, Apple e soja: China prepara retaliação de milhões às tarifas de Trump

A China anunciou a imposição de tarifas às importações de alguns produtos norte-americanos como forma de compensar as perdas causadas pelas medidas de Trump, mas ainda possui outras alternativas.

Guerra Comercial EUA-China

Até ao momento, a China já anunciou a imposição de uma tarifa de 25% sobre as importações de carne suína e alumínio reciclado, um imposto de 15% sobre os tubos de aço, as frutas e os vinhos provenientes dos EUA, bem como outra série de produtos.

No entanto, a segunda economia mundial possui uma lista de opções muito mais vasta que pode ser accionada caso as tensões com os Estados Unidos piorem.

Aviação: O presidente Xi Jinping concedeu à Boeing uma encomenda de novas aeronaves no valor de 38 mil milhões de dólares (cerca de 30,7 mil milhões de euros) em 2015, durante a visita a uma fábrica em Seattle. Caso a tensão aumente, Pequim pode cancelar esses pedidos e entregá-los a rivais, como a Airbus.

Agricultura: A atividade agrícola é um dos poucos setores em que os exportadores dos EUA mantêm um superavit em relação ao país asiático. Hoje, a China é o maior comprador de soja dos EUA, com um volume aproximado de 14.600 milhões de dólares (cerca de 11,8 milhões de euros) no ano passado, mais de um terço da safra total.

Tecnologia: Embora a origem das medidas mais recentes de Trump contra a China visem proteger a propriedade intelectual e tecnologia dos EUA, Apple, Intel e Cisco estão entre as empresas americanas mais vulneráveis a uma resposta chinesa. Os produtos da Apple, por exemplo, são desenhados na Califórnia mas a sua montagem é feita no país asiático.

Imposto à Exportação: Outra opção para a China seria a imposição do pagamento de tarifas especiais sobre produtos locais exportados para empresas dos EUA. Apple e outros gigantes da tecnologia e produtos de consumo podem sofrer um grande impacto negativo com a medida.

Educação: A China pode desativar as iniciativas voltadas para a educação para que o número de estudantes que chegam às universidades americanas reduza.

Diplomacia: O reforço das inspeções de segurança ou o atraso dos procedimentos para a entrada de alimentos no país, são alguns obstáculos aos quais a China também pode recorrer.

Ler mais
Relacionadas

Taxas alfandegárias dos EUA são “absolutamente injustificadas”, realça António Costa

Primeiro-ministro referia-se à decisão do governo norte-americano de aplicar taxas alfandegárias de 25% sobre as importações de aço e de 10% sobre as de alumínio.
Recomendadas

“Que Deus abençoe a memória daqueles em Toledo”. Trump engana-se no nome da cidade do massacre no Ohio

O presidente norte-americano referiu-se referiu a Toledo, e não a Dayton, nas suas observações sobre um dos recentes massacres onde morreram nove pessoas e outras 27 ficaram feridas.

A “Casa de Papel” na vida real: Assalto à Casa da Moeda do México leva dos cofres 50 milhões em menos de 4 minutos

Os assaltantes conseguiram desarmar um guarda e furar todas as barreiras de segurança até chegarem ao cofre de segurança, que estaria aberto. Em menos de quatro minutos, o grupo de homens roubou e fugiu do edifício sem que a polícia tivesse sequer chegado.

Japão testa drones que transportam pessoas para diminuir o trânsito

Os responsáveis pelo projeto apontam que os drones tripulados poderão ser uma solução para combater o trânsito: “O Japão é um país com uma densidade populacional muito elevada, e como tal, carros voadores poderão ser a solução para diminuir o trânsito no país”.
Comentários