Bolsa nacional segue penalizada pelas perdas dos CTT e das retalhistas, em dia misto na Europa

O principal índice bolsista nacional, PSI 20, perde 0,22% para 5.610,71 pontos, pressionado pelas desvalorizações dos CTT e setor do retalho.

Reuters/Lucas Jackson

A meio da sessão desta quinta-feira, dia 19 de julho, a bolsa nacional está a negociar em terreno negativo, enquanto as congéneres europeias continuam a negociar sem tendência definida. O principal índice nacional, PSI 20, perde 0,22% para 5.610,71 pontos, pressionado pelas desvalorizações dos CTT, BCP e dos títulos dsetor do retalho.

A destacar-se entre as cotadas que mais desvalorizam nesta sessão estão os CTT. A empresa de serviço postal vai ter de dar cumprimento aos critérios de formação dos preços para o triénio 2018-2020 revelados esta quarta-feira pela Autoridade Nacional de Comunicações (Anacom). As novas regras vão ser aplicadas aos preços a vigorar em 2019 e 2020 e estabelecem uma variação anual máxima do preço do cabaz de serviços de correspondências, correio editorial e encomendas (serviços não reservados), indexada à taxa de inflação. A reagir a esta imposição, os CTT perdem 1,76% para 2,904 euros.

No setor do retalho, a Jerónimo Martins recua 0,15% para 12,980 euros e a Sonae desvaloriza 0,69% para 1,007 euros. A acompanhar a tendência está também o BCP, que deprecia 0,11% para 0,261 euros, a EDP, que perde 0,55% para 3,433 euros, e a EDP Renováveis, que cai 0,72% para 8,91 euros. A Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) explicou esta quarta-feira que uma oferta pública de aquisição (OPA) concorrente pode passar à frente da oferta da China Three Gorges. “Uma eventual oferta concorrente poderá ser registada primeiro do que a oferta inicial, atenta a autonomia entre os procedimentos de registo de cada uma das referidas ofertas, desde que se verifiquem preenchidos primeiro todos os requisitos legais de que aquele registo depende”, afirmou o regulador.

Em terreno negativo estão também a NOS (-0,25%), a Sonae Capital (-0,21%), a Ibersol (-0,97%) e a Navigator (-0,49%).

A contrabalançar as perdas estão a Galp Energia (0,06%), a Altri (0,78%), a Corticeira Amorim (0,72%), a Mota-Engil (0,34%), a REN (0,49%) e a F. Ramada (0,99%).

Nas restantes bolsas europeias, o índice alemão DAX perde 0,53%, o francês CAC 40 desvaloriza 0,53%, o espanhol IBEX 35 deprecia 0,44% e o italiano FTSE MIB cai 0,29%. Em contraciclo, o holandês AEX avança 0,22% e o britânico FTSE 100 sobe 0,08%.

“A generalidade das bolsas europeias seguia em baixa a meio da manhã desta quinta-feira. As preocupações dos fabricantes nos vários distritos da Fed com o impacto da guerra comercial, que ficaram patentes no Beige Book da Reserva Federal norte-americana difundido ontem, parecem estar a ser um foco de pressão para os mercados”, explica Ramiro Loureiro, analista do Mtrader, do Millennium BCP. 

A cotação do barril de Brent, que serve de referência para a Europa, desvaloriza 1,08% para 72,11 dólares, enquanto a do crude WTI perde 1,14%, para 66,98 dólares por barril.

No mercado cambial, o euro recua 0,34% para 1,159 dólares e a libra deprecia 0,65%, para 1,298 euros.

Ler mais

Recomendadas

PSI 20 acompanha Europa em alta. Títulos do Grupo EDP impulsionam praça nacional

O principal índice bolsista português soma 0,46%, para 4.855,54 pontos.

Abrandamento da economia poderá ser entrave para Moody’s igualar as pares na avaliação de Portugal

A Moody’s tem agendada uma avaliação à notação da dívida soberana portuguesa esta sexta-feira. A agência poderá querer alinhar-se com a S&P e a Fitch através de uma subida de um grau para ‘Baa2’, mas as incertezas que estão a esfriar o crescimento da economia global poderão ser motivo para manter o ‘status quo’.

Acalmia cambial trouxe bons resultados em Wall Street

O índice tecnológico S&P, .SPL.RCT, que inclui empresas que têm uma maior exposição ao mercado chinês e estiveram no centro das vendas registadas na segunda-feira, foi aquele que mais valorizou nesta sessão, com um crescimento de 1,61%.
Comentários