Bolsa portuguesa perdeu 12% em 2016

O PSI 20 foi o oitavo índice do mundo com pior desempenho. BCP liderou as quedas com uma desvalorização de 70,8%.

Stringer/Reuters

Este ano foi negativo para os investidores na praça lisboeta. O principal índice da bolsa portuguesa (PSI-20) fechou o ano com perdas de 11,9%, com 11 das 18 cotadas a desvalorizarem e sete a subirem, o que o torna o oitavo índice do mundo com pior desempenho em 2016, informa a Lusa.

Na última sessão do ano passado, o PSI-20 encerrou nos 5.313,17 pontos e, desde então, nunca mais voltou a esse valor, tendo fechado na sexta-feira nos 4.679,20 pontos. A 27 de Junho, o PSI20 fechou o dia nos 4.260,13 pontos, o mínimo do ano, que correspondia na altura a uma queda próxima dos 20%, pelo que conseguiu recuperar no segundo semestre quase 10%.

Ao nível das cotadas, em termos acumulados, o BCP lidera as quedas com uma desvalorização de 70,8%, seguido da Caixa Económica Montepio Geral registou a maior queda (-35,73%), seguida pelos CTT (-27,21%), pela Pharol (-23,62%), pela Nos (-22,19%), pela Altri (-18,99%), pela EDP Renováveis (-16,74%), pela Sonae (-16,60%) e pela Mota-Engil (-16,36%).

A EDP, um dos pesos pesados do PSI-20 (a par da Galp Energia e da Jerónimo Martins), recuou 12,86%, seguida pela Navigator (-9,20%) e pela REN (-3,02%).

Do lado dos ganhos, a Sonae Capital somou 46,67%, a Corticeira Amorim ganhou 42,91%, a Galp Energia avançou 32,37% e a Jerónimo Martins valorizou 22,88%, com as duas últimas a darem um contributo importante para conter as perdas anuais do PSI-20. A Semapa cresceu 5,55% e o Banco BPI progrediu 3,67%, encerrando o lote das subidas.

A nível mundial, o Brasil (76,16%), o Perú (68,59%) e o Cazaquistão (66,27%) foram os países onde as bolsas mais valorizaram em 2016.

Nota ainda para as fortes subidas das praças da Rússia (57,47%), do Paquistão (50,81%), da Namíbia (43,43%), da Venezuela (41,65%), da Hungria (35,49%), de Marrocos (31,82%) e da Colômbia (29,06%).

Já do lado das perdas, a Nigéria liderou (-38,61%), seguida pelo Gana (-22,16%), pelo Egipto (-21,10%), pela Mongólia (-19,01%) e pela Zâmbia (-16,66%). Seguiram-se-lhes a China (Xangai perdeu 15,93%), a Dinamarca (-12,53%), Portugal (-11,9%), o Sri Lanka (-10,38%) e a Itália (-10,20%).

Ler mais

Recomendadas

PSI 20 acompanha Europa em alta. Títulos do Grupo EDP impulsionam praça nacional

O principal índice bolsista português soma 0,46%, para 4.855,54 pontos.

Abrandamento da economia poderá ser entrave para Moody’s igualar as pares na avaliação de Portugal

A Moody’s tem agendada uma avaliação à notação da dívida soberana portuguesa esta sexta-feira. A agência poderá querer alinhar-se com a S&P e a Fitch através de uma subida de um grau para ‘Baa2’, mas as incertezas que estão a esfriar o crescimento da economia global poderão ser motivo para manter o ‘status quo’.

Acalmia cambial trouxe bons resultados em Wall Street

O índice tecnológico S&P, .SPL.RCT, que inclui empresas que têm uma maior exposição ao mercado chinês e estiveram no centro das vendas registadas na segunda-feira, foi aquele que mais valorizou nesta sessão, com um crescimento de 1,61%.
Comentários