Bom ano? Não parece!

António Costa tem tudo para festejar rijamente a passagem de ano e entrar em 2017 com o sentimento de que, como o próprio disse, por muito que lidere uma geringonça, ela funciona.

Um Orçamento devidamente no activo, o desemprego a baixar, as perspectivas de crescimento a baterem razoavelmente certo, os parceiros de Bruxelas sossegados lá nas suas coisas, a coligação que sustenta o Governo a evoluir – mesmo que aos solavancos. O primeiro-ministro António Costa tem tudo para festejar rijamente a passagem de ano e entrar em 2017 com o sentimento de que, como o próprio disse, por muito que lidere uma geringonça, ela funciona.

Mas eis que, subitamente, é preciso recordar uma frase do Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa. Sejamos mais específicos, dado que há frases do Presidente da República para todos os gostos, para todos os feitios, para todas as ocasiões e para todos os temas. “Quem quiser instabilidade política não conte comigo. Nunca até acabar este ciclo até às autárquicas”, disse o Presidente distraidamente. Que conste, o ciclo político corre com a legislatura e não há notícia de que umas autárquicas sirvam para mudar de governo. É certo que já vários governos optaram por desistir quando as autárquicas lhes correram mal, mas daí a um Presidente da República – garantia de estabilidade em todas as circunstâncias e até ao limite do razoável – afirmar que o ciclo fecha em Setembro ou Outubro de 2017 e nessa altura logo veremos, é excessivo.

Até porque tudo leva a crer que as autárquicas vão correr mal ao Governo, quer ganhe quer perca as eleições. Se perder, pelos vistos terá Marcelo Rebelo de Sousa a questionar sobre a legitimidade da geringonça – com todos os comentadores políticos ligados ao PSD a vociferar uma coisa qualquer sobre o fim do ciclo. Se ganhar, António Costa cairá por certo na tentação de imaginar-se finalmente liberto do PCP e do Bloco de Esquerda para governar sozinho. Uma pena: ao contrário do que se diz por aí, um Governo minoritário é a melhor garantia de funcionamento da democracia que um povo pode alcançar.

Mas o mais provável é que os parceiros de coligação acabem todos por andar à bofetada (espera-se que apenas metaforicamente) durante a campanha eleitoral. Desde logo porque o PCP não consegue ultrapassar as reservas que demonstra ter em relação ao Bloco – alguém no Comité Central tem uma fé cega na obra que Lenine publicou em 1920 sobre ‘O esquerdismo, doença infantil do comunismo’, que é aliás um pouco disparatada. Depois porque não estará para se dar à maçada de, em campanha autárquica, esconder as reservas que tem relativamente ao próprio PS. Melhor se portará com certeza, pelo menos na óptica de António Costa, Catarina Martins – que dá mostras de achar cada vez mais um piadão ao facto de poder interferir directamente na governance do país. Portanto, o que começa aparentemente bem – melhor seria difícil – pode acabar muito mal para o Governo.

Já quanto a Pedro Passos Coelho, se as coisas lhe correm mal, o melhor é regressar à Tecnoforma, se for caso de ela ainda existir – porque as coisas na Caixa não estão fáceis – e esquecer o partido. Para Assunção Cristas, e dado que tudo indica que as coisas não lhe vão correr bem em Lisboa, adiante se verá se Nuno Melo continuará ou não interessado em não estar interessado em liderar o partido.

O autor escreve segundo a antiga ortografia.

Recomendadas

teste

O Lorem Ipsum é um texto modelo da indústria tipográfica e de impressão. O Lorem Ipsum tem vindo a ser o texto padrão usado por estas indústrias desde o ano de 1500, quando uma misturou os caracteres de um texto para criar um espécime de livro. Este texto não só sobreviveu 5 séculos, mas também o salto para a tipografia electrónica, mantendo-se essencialmente inalterada. Foi popularizada nos anos 60 com a disponibilização das folhas de Letraset, que continham passagens com Lorem Ipsum, e mais recentemente com os programas de publicação como o Aldus PageMaker que incluem versões do Lorem Ipsum.

RIO é Mau, Vote no RIO!

O que ninguém imaginava, nem os mais descrentes,  é que o consulado -Rio seria “isto”. Uma guerra civil permanente, com o grupo parlamentar, com as concelhias, mas também com os “seus”, a própria direção e secretariado-geral, com inúmeras demissões e afastamentos.
Comentários