BPI é a marca preferida de 53% dos inquiridos pela Selecções Reader’s Digest

A marca que o CaixaBank decidiu manter em Portugal foi eleita pelo 5.º ano consecutivo como a Marca de Confiança e subiu 16 pontos percentuais na confiança dos inquiridos face à edição anterior.

Jose Manuel Ribeiro/Reuters

A marca que o CaixaBank decidiu manter foi escolhida pela maioria dos inquiridos (por 53%) pelas Selecções do Reader’s Digest como marca bancária de maior confiança em Portugal no estudo “Marcas de Confiança”.

As Selecções do Reader’s Digest elegem anualmente as Marcas de Confiança dos portugueses em 60 categorias de produtos e serviços. Os portugueses avaliaram atributos como a qualidade do serviço, relação custo-benefício e perceção das necessidades do Cliente.

O BPI foi eleito pelo 5.º ano consecutivo e subiu 16 pontos percentuais na confiança dos inquiridos face à edição anterior, “registando a maior subida de sempre”, diz o banco liderado por Pablo Forero em comunicado.

Dos inquiridos que preferiram o BPI, 69% são Clientes do Banco, o que revela satisfação com a melhoria contínua dos serviços prestados. Os resultados do inquérito também mostram que a média de idades dos inquiridos que votaram no BPI é de 43 anos, cerca de 20 anos abaixo da média de idades dos restantes bancos – um indicador de que o BPI regista resultados positivos de uma forma transversal às diferentes gerações.

O estudo foi realizado entre 18 de Setembro e 30 de Novembro de 2017, a partir de um inquérito de pergunta aberta aos leitores das Selecções Reader’s Digest, numa amostra de 12.000 leitores. A taxa de resposta foi de 8% e a margem de erro de 2,9%.

Recomendadas

Inovação e empreendedorismo

Há que aplicar as novas tecnologias à cadeia de valor de uma empresa para que esta possa fornecer a melhor resposta ao cliente, conhecendo e focando-se nas necessidades que este tem. Neste ponto as startups representam uma mais-valia.

CGD avalia ações contra gestores que aprovaram crédito a Vale do Lobo

Advogados da CGD estão a avaliar ações cíveis contra gestores da administração de Santos Ferreira que deram ‘luz verde’ a operação Vale do Lobo. Parecer é entregue após o verão para decisão final.

JP Morgan bem posicionado para liderar entrada em bolsa da WeWork

Dona da WeWork vai emitir obrigações até seis mil milhões de dólares e fontes próximas da empresa revelaram que a instituição financeira que montar esta operação poderá ter papel ativo na entrada em bolsa da WeWork.
Comentários