BPI: falsa ameaça de bomba encerra temporariamente balcões em Lisboa

“A ameaça de bomba não se confirmou”. A Policia de Segurança Pública (PSP) confirmou ao “Jornal Económico” que se tratou de falso alarme e que o BPI já terá dado ordem para que os balcões regressem ao normal funcionamento.

Jose Manuel Ribeiro/Reuters

A adminstração do banco BPI mandou encerrar e evacuar na manhã desta sexta-feira todos os seus balcões em Lisboa, após uma chamada anónima para a dependência na rua Tomás da Fonseca, na zona das Laranjeiras, que alertava, sem específicar o local, para o iminente rebentamento de explosivos.

Segundo fonte oficial da PSP, o BPI  decidiu fechar temporariamente todos os balcões em Lisboa,”por precaução”, mas após confirmação policial de que “felizmente se tratava de um falso alarme e sabendo que nada aconteceu”, todas as dependências do BPI na capital receberam indicações para voltar ao normal funcionamento.

O porta-voz do BPI, Rui Silva, explicou ao “Jornal Económico” que, por volta das 9h00 desta sexta-feira, houve uma ameaça de bomba a uma das dependências e, por razões de segurança, a entidade bancária acabou por mandar encerrar e evacuar todos os balcões.

Pouco depois das 10h45, as operações no banco começaram a voltar ao funcionamento normal, uma vez confirmado que se tratava de uma ameaça que acabou por se revelar falsa.

Além das agências, as linhas telefónicas do banco também foram canceladas. Ao tentar contactar o Atendimento Geral e o BPI Direct podia ouvir-se a seguinte resposta: “Não é possível atender a sua chamada. Tente contactar mais tarde”.

“O BPI comunicou às autoridades e tomou os procedimentos necessários. A normalidade está a ser reposta”, assegurou Rui Silva.

Desde as 9h00 que a PSP esteve em contacto com todos os balcões do banco. Alguns agentes foram enviados para as maiores agências do BPI para garantir a segurança das pessoas.

 

Ler mais
Relacionadas

BPI deixa de ter participação qualificada na NOS

O BPI tem vindo reduzir a sua participação na empresa detida maioritariamente pela ZOPT (parceria entre Isabel dos Santos e Sonae que controla a operadora).
Recomendadas

Inovação e empreendedorismo

Há que aplicar as novas tecnologias à cadeia de valor de uma empresa para que esta possa fornecer a melhor resposta ao cliente, conhecendo e focando-se nas necessidades que este tem. Neste ponto as startups representam uma mais-valia.

CGD avalia ações contra gestores que aprovaram crédito a Vale do Lobo

Advogados da CGD estão a avaliar ações cíveis contra gestores da administração de Santos Ferreira que deram ‘luz verde’ a operação Vale do Lobo. Parecer é entregue após o verão para decisão final.

JP Morgan bem posicionado para liderar entrada em bolsa da WeWork

Dona da WeWork vai emitir obrigações até seis mil milhões de dólares e fontes próximas da empresa revelaram que a instituição financeira que montar esta operação poderá ter papel ativo na entrada em bolsa da WeWork.
Comentários