BPN Brasil vendido à brasileira Crepifar por 13 milhões de euros

Venda necessitava do aval do Banco Central do Brasil, que anteriormente já tinha indeferido um pedido de autorização de compra pelo banco angolano BIC.

Jose Manuel Ribeiro/Reuters

O Estado concretizou esta quarta-feira a venda da totalidade de um activo do BPN, a instituição financeira brasileira, BPN Brasil à brasileira Crefipar Participações e Empreendimentos por cerca de 13 milhões de euros.

“Foi hoje concretizada a venda da totalidade da sua participação de 94,09% no capital social da Sociedade BPN Participações Brasil Ltda”, comunicou a Participadas, detentora das participações em empresas do BPN , em comunicado à CMVM.

A Sociedade BPN Participações Ltda é uma sociedade holding que detém uma participação de 99,99% no Banco BPN Brasil, sociedade de direito brasileiro, sediada em São Paulo que se dedica à atividade bancária.

“Com esta transação dá-se continuidade ao processo de venda das participações sociais que foram transferidas do Banco Português de Negócios para o Estado em fevereiro de 2012”, acrescenta a Participadas em comunicado.

A venda de participações sociais já tinha sido comunicada a 6 de fevereiro à CMVM, onde tinha sido anunciado que “o valor da transação corresponderá ao valor de capitais próprios nessa data, acrescido de um ágio de 2 milhões de euros, sendo o valor de referência dos capitais próprios de 11,03 milhões de euros”.

No entanto, necessitava ainda do Banco Central do Brasil, que anteriormente já tinha indeferido um pedido de autorização de compra pelo banco angolano BIC.

Ler mais
Recomendadas

Inovação e empreendedorismo

Há que aplicar as novas tecnologias à cadeia de valor de uma empresa para que esta possa fornecer a melhor resposta ao cliente, conhecendo e focando-se nas necessidades que este tem. Neste ponto as startups representam uma mais-valia.

CGD avalia ações contra gestores que aprovaram crédito a Vale do Lobo

Advogados da CGD estão a avaliar ações cíveis contra gestores da administração de Santos Ferreira que deram ‘luz verde’ a operação Vale do Lobo. Parecer é entregue após o verão para decisão final.

JP Morgan bem posicionado para liderar entrada em bolsa da WeWork

Dona da WeWork vai emitir obrigações até seis mil milhões de dólares e fontes próximas da empresa revelaram que a instituição financeira que montar esta operação poderá ter papel ativo na entrada em bolsa da WeWork.
Comentários