Brasileiros e franceses compraram mais casas em Portugal

Lisboa e Faro são os distritos com maior número de investimentos realizados por clientes internacionais. Os investidores externos preferiram comprar T2 e T3.

Os apartamentos e moradias são a principal aposta dos investidores internacionais, ao representarem cerca de 61% e 22%, respetivamente, das transações realizadas ao longo do último ano. Os prédios e lojas são também fortes apostas destes clientes que, em 2017, representaram 5% e 4% das compras, vendas e alugueres de imóveis RE/MAX.

Atendendo ao elevado investimento em apartamentos, a análise da RE/MAX vai um pouco mais longe e revela ainda que a escolha dos investidores estrangeiros tende a recair sobre habitações com três, quatro e duas assoalhadas, as quais em 2017 foram responsáveis por 40%, 30% e 20% do volume de transações da marca.

No que respeita ao investimento, em 2017 a grande fatia da procura centrou-se nos imóveis até 400 mil euros, com um maior fluxo de transações (34.5%) nas habitações com valores compreendidos entre 100 mil euros e 199.999 euros, seguidos das casas de valor inferior a 100 mil euros, que representaram cerca de 29% das movimentações da marca.

No total, o investimento estrangeiro registou um crescimento na ordem dos 23%. Os brasileiros e franceses foram quem mais investiu em Portugal em 2017, representando cerca de 5% do volume total de transações.

Para a Associação dos Profissionais e Empresas de Mediação Imobiliária de Portugal (APEMIP), a percentagem foi inferior em três pontos percentuais. A associação representante do setor concluiu que, no ano passado, o investimento estrangeiro representou 20% do total das transações de casas em Portugal. Desse total, os investidores de França foram quem mais apostou no mercado imobiliário nacional para adquirir habitação (29%) em 2017, seguindo-se dos do Brasil (19%), de Inglaterra (11%), da China (9%) e de Angola (7,5%).

De acordo com o gabinete de estudos da APEMIP, os investidores externos preferiram comprar T2 (34%) e T3 (47%). Os T1 equivaleram a 13% das aquisições e T4 ou superior a 6%. Quando comparado o ‘top 5’ nacional de investimento estrangeiro com o do Porto, os chineses dão lugar aos espanhóis. Já em Lisboa quem se junta aos maiores compradores de casas são os norte-americanos, em vez dos ingleses.

Gráfico 1 – ‘Top 5’ de investimento estrangeiro no Porto

Gráfico 2 – ‘Top 5’ de investimento estrangeiro em Lisboa

Fonte: Gabinete de Estudos da Associação dos Profissionais e Empresas de Mediação Imobiliária de Portugal

Ler mais
Relacionadas

Investimento dos fundos em imobiliário aumentou em janeiro

Serviços e comércio lideram as opções de investimento dos fundos imobiliários. O valor sob gestão atingiu, em janeiro, os 8,9 milhões de euros.

Reabilitação vai continuar a ser alavanca do mercado

A reabilitação urbana tem sido a principal alavanca da dinamização do mercado imobiliário, mas ainda falta abordar e explorar, as consequências desse crescendo no setor, na sociedade e na economia.
Recomendadas

Três Dolce Vita colocados à venda por 15 milhões de euros

Em todos os casos, caso não hajam ofertas superiores ao valor mínimo, serão admitidas propostas mais baixas.

Savills fica responsável pela gestão do edifício Atlas III

Atlas III, em Miraflores, é o mais recente empreendimento sob a gestão da Savills.

Dona da Comporta estuda “projeto estratégico” a preços acessíveis no Parque das Nações

A Vanguard Properties quer construir três prédios no total, com o valor do investimento a rondar os 30 a 35 milhões de euros.
Comentários