Brexit: Banco japonês Nomura trocou Londres por Frankfurt

Cerca de 100 funcionários vão instalar-se na cidade alemã, depois de Munique, Luxemburgo e Paris terem sido também uma das opções para a realocação.

O banco de investimento Nomura alterou a sua morada, trocando Londres por Frankfurt como sede das operações da União Europeia, uma medida relacionada com o Brexit, avança a Bloomberg esta quinta-feira.

A maior corretora do Japão vai dar início aos preparativos ainda este mês, de forma a assegurar uma base estável no centro financeiro alemão, o que implica aprovação regulatória e encontrar um espaço para os escritórios, antes de transferir cerca de 100 funcionários de Londres para a cidade alemã.

Esta deslocação do Nomura vai a avante mesmo depois da perda da maioria de Theresa May nas eleições deste mês, que promete uma transição para o Brexit “mais suave”.

A cidade de Frankfurt é a casa do Banco Central Europeu, e emergiu como uma das principais opções para a realocação de bancos. Segundo a Bloomberg, a Goldman Sachs e a Morgan Stanley são mais duas empresas que estão à procura de escritórios na cidade alemã. Frankfurt pode vir a tornar-se no novo palco do centro comercial da União Europeia.

Nomura, que, em março, tinha 3.026 funcionários na Europa, principalmente em Londres, estava a considerar  Munique, Paris e o Luxemburgo como nova casa para abrigar as suas operações na UE. Kenji Yamashita, porta-voz da Nomura em Tóquio, recusou-se a comentar a decisão.

 

Ler mais
Recomendadas

Inovação e empreendedorismo

Há que aplicar as novas tecnologias à cadeia de valor de uma empresa para que esta possa fornecer a melhor resposta ao cliente, conhecendo e focando-se nas necessidades que este tem. Neste ponto as startups representam uma mais-valia.

CGD avalia ações contra gestores que aprovaram crédito a Vale do Lobo

Advogados da CGD estão a avaliar ações cíveis contra gestores da administração de Santos Ferreira que deram ‘luz verde’ a operação Vale do Lobo. Parecer é entregue após o verão para decisão final.

JP Morgan bem posicionado para liderar entrada em bolsa da WeWork

Dona da WeWork vai emitir obrigações até seis mil milhões de dólares e fontes próximas da empresa revelaram que a instituição financeira que montar esta operação poderá ter papel ativo na entrada em bolsa da WeWork.
Comentários