Britânicos já votam para decidir o futuro Governo do Reino Unido e do Brexit

A líder conservadora, Theresa May, lidera as sondagens, com uma margem de distância de 7% face ao trabalhista Jeremy Corbyn, mas tal como se verificou com o referendo do Brexit nada é certo e os resultados da consulta popular pode vir a trazer surpresas.

Paul Hackett/Reuters

As urnas já abriram nas quatro nações que compõem o Reino Unido. Até às 22h00 desta quinta-feira, mais de 46 milhões de eleitores em todo o país escolhem quem vai ocupar os 650 lugares da câmara baixa do Parlamento entre os cinco candidatos às eleições gerais.

A líder conservadora, Theresa May, lidera as sondagens, com uma margem de distância de 7% face ao trabalhista Jeremy Corbyn, mas tal como se verificou com o referendo do Brexit nada é certo e os resultados da consulta popular pode vir a trazer surpresas. No pior cenário das sondagens para os tories, Jeremy Corbyn perde por apenas 1% dos votos para Theresa May e o partido continua sem maioria parlamentar.

Estas eleições acontecem 52 dias depois de Theresa May ter convocado eleições antecipadas, com a finalidade de legitimar o seu mandato no Parlamento e conseguir uma maioria que lhe permita aprovar, sem obstáculos maiores, decretos para a concretização do processo de saída da União Europeia, tendo em conta que nos últimos meses inúmeros projetos-lei foram chumbados pelo escrutínio dos deputados britânicos.

Os ataques terroristas marcaram a campanha eleitoral, depois de em pouco mais de três meses o Reino Unido ter sido alvo de três atentados. Por duas vezes, as ações de campanha foram suspensas, na sequência do ataque à Manchester Arena e do duplo ataque no coração de Londres.

As questões de segurança podem vir a ser o principal obstáculo à maioria de Theresa May. Na última semana, foi revelado que a líder conservadora, enquanto secretária dos assuntos internos, cortou o financiamento das forças de segurança e despediu milhares de polícias, colocando a ainda primeira-ministra debaixo de fogo. A oposição acusa-a de ter dificultado a eficácia das autoridades no controlo do terrorismo e na capacidade de dar uma resposta rápida ao problema.

A decisão de abandonar o bloco europeu e os desafios da concretização do processo de divórcio estão também em cima da mesa. Tanto os conservadores como os trabalhistas comprometem-se a promulgar o Brexit, embora com perspetivas diferentes. Theresa May quer um hard Brexit ao passo que Jeremy Corbyn quer, sobretudo, manter boas relações com a União Europeia.

Os resultados oficiais só devem ser conhecidos de madrugada, sendo que as reações do partidos só são esperadas para sexta-feira.

Ler mais
Relacionadas

Theresa May: A menina de classe média que se tornou o rosto do Brexit

Séria e com um ar distante, a líder conservadora é descrita entre amigos como uma mulher afável, perspicaz e com sentido de humor. Ganhou notoriedade pelos seus discursos críticos e determinação. Mas a incapacidade de responder a questões como o terrorismo pode deitar por terra as suas intenções de obter maioria para concretizar o Brexit.

Jeremy Corbyn: O ascético que quer converter sonhos em votos

Não fuma, não bebe e garante não ter vícios. Apenas sonhos e a determinação necessária para levar o Brexit a bom porto. A somar votos junto das camadas mais jovens, Jeremy Corbyn pode vir a tornar-se o maior pesadelo de Theresa May nas eleições gerais desta quinta-feira.

Theresa May cria nova polémica em torno das questões de segurança

Primeira-ministra quer restringir liberdades. Trabalhistas recordam que a ideia é atacar o terrorismo e não a democracia. Já ninguém se lembra que no cerne das eleições antecipadas estava o Brexit.

Investidores fogem do Reino Unido e dos EUA, mas zona euro fica a salvo

As eleições no Reino Unido e a audição do ex-diretor do FBI James Comey no Senado norte-americano estão a criar instabilidade nos mercados, mas a Europa continental parece estar imune aos receios após ter afastado as ameaças anti-euro.

Reino Unido: “Sem maioria absoluta, May pode ser forçada a repetir eleições a curto prazo”

Carlos Gaspar, investigador do Instituto Português de Relações Internacionais (IPRI), em entrevista ao Jornal Económico, aponta as fragilidades de Theresa May num cenário em que os Tories não alcancem maioria absoluta, nas eleições de quinta-feira, dia 8.
Recomendadas

Maus resultados eleitorais levam à demissão dos chefes de gabinete de Theresa May

Fiona Hill e Nick Timothy eram conselheiros de Theresa May desde que esta assumiu a pasta do Ministério do Interior, entre 2010 e 2016.

Corbyn falha ‘high five’ com colega de partido e anima redes sociais

A peripécia com o ‘pouco’ derrotado da noite de ontem, o líder do Partido Trabalhista, está a ser um dos sucessos do pós-votação.

Brexit: Europa está “unida, coesa e preparada” para as negociações com Reino Unido

Marcelo Rebelo de Sousa recusou-se a comentar os resultados eleitorais do Reino Unido e o ministro dos Negócios Estrangeiros português assegura que a União Europeia vai “negociar as condições da saída com o Reino Unido (…) com toda a boa-fé”.
Comentários