Bruxelas quer obrigar tribunais a trocarem informação online

As propostas da Comissão Europeia prevêem ainda o incentivo às videoconferências na audição de testemunhas que se encontrem noutro Estado-Membro. A instituição europeia acredita se poderá poupar cerca de 30 a 78 milhões de euros por ano em toda a União Europeia.

Francois Lenoir/Reuters

A Comissão Europeia sugeriu esta quinta-feira modernizar (e digitalizar) a cooperação judicial em processos transfronteiriços civis e comerciais na União Europeia para tornar o acesso à justiça mais barato, eficiente e acessível aos cidadãos e às empresas europeias.

Para tal, Bruxelas propõe que seja obrigatório os tribunais trocarem documentos de através de plataformas eletrónicas. Incentiva também o uso de videoconferências na audição de testemunhas que se encontrem noutro Estado-Membro. As novas regras implicam a atualização do regulamento europeu sobre o serviço de documentos e obtenção de provas [Regulations on Service of documents and on Taking of evidence], mas servirão para aliviar os cofres do bloco.

A instituição europeia acredita que transferir as comunicações em papel para as eletrónicas poderá poupar cerca de 30 a 78 milhões de euros por ano em toda a União Europeia e que a opção pelo vídeo, que custa 100 euros, é mais barata do que uma audiência física, que envolve uma despesa de 400 euros a 800 euros.

Além disso, Bruxelas estipula ainda a introdução de um boletim de devolução uniforme para documentos enviados a pessoas e empresas por correio para poupar mais de 2,2 milhões de euros com as confusões que advêm das diferenças nos documentos.

A comissária europeia para a Justiça, Consumidores e Igualdade de Género refere que “todos os anos, existem cerca de 3,4 milhões de processos judiciais transfronteiriços de Direito Civil e Comercial na União Europeia” e que cada vez mais pessoas “estão a viver, a estudar e a trabalhar noutros países da União Europeia, e as empresas estão a expandir-se além-fronteiras”. Věra Jourová salienta que a proposta “lhes dará acesso a justiça transfronteiriça mais rápida e acessível”.

Relacionadas

Juncker defende orçamento “moderno, simplificado e mais flexível” para UE pós-2020

Jean-Claude Juncker destacou a importância da proposta hoje apresentada, considerando que esta determinará o futuro da Europa a 27, após a saída do Reino Unido.

Há risco de “mercadorização” da justiça

Será que o tipo de alegações contra políticos e personalidades politicamente expostas não se tornou algo remunerativo perante a opinião pública?
Recomendadas

Portugal é o mercado externo mais atrativo para as sociedades de advogados de Espanha

Portugal é visto como um lugar prioritário e de elevado crescimento para as sociedades de advogados do país vizinho, em especial os da área jurídica, com as cidades de Lisboa e Porto a serem as mais procuradas.

Indico Capital captou 1,1 milhões de euros para a EatTasty com assessoria da Cuatrecasas

A Cuatrecasas assessorou a Indico Capital Partners no fecho de uma ronda de investimento seed (fase inicial) para a startup EatTasty, no valor de 1,1 milhões de euros.

Novas regras no sector imobiliário

Assiste-se a um aumento da burocracia e da responsabilidade das “Entidades Imobiliárias” que se vêem obrigadas elas próprias a promover o controlo e prevenção do branqueamento de capitais e financiamento do terrorismo.
Comentários