Cabo Verde não tem tido “vontade política” suficiente para integração na CEDEAO

 O investigador cabo-verdiano, Odair Barros Varela, afirma que a Cabo Verde não tem tido “vontade política” suficiente no processo de integração da Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO).

Odair Barros Varela, que é também director académico do Mestrado Integração Regional Africana, da Universidade de Cabo Verde, fez essa constatação em declarações à imprensa à margem do debate “A CEDEAO e os Desafios da Integração Regional: Modelos, Dinâmicas e Perspetivas”, promovida pela Uni-CV, no âmbito da 1ª Semana da Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO) que decorre de 20 a 31 deste mês na Cidade da Praia.

Segundo o investigador, Cabo Verde aderiu a CEDEAO em 1974, mas enfrenta ainda desafios a nível da mobilidade, da integração económica e da harmonização da legislação que, conforme disse, tem a ver com a “insuficiente” falta de vontade política.

“O país podia fazer muito mais a nível da rectificação dos protocolos e de colocação de quadros na CEDEAO”, disse, sublinhando que, se Cabo Verde tivesse apostado um pouco mais a nível da diplomacia, talvez não tinha perdido a presidência da Comissão da Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental.

Para o investigador, neste momento o país precisa de acções e passos concretos com abertura de Embaixada em Abudja, Nigéria e uma representação Adis Abeba.

Segundo Odair Barros Varela, este é o momento de debater e analisar questões de harmonização das leis no espaço da CEDEAO, processo de integração a nível da imigração, mobilidade no espaço da CEDEAO, legalização dos imigrantes, processo de integração económica e o posicionamento de Cabo Verde em relação à tarifa externa comum.

“A ideia é analisar todos os aspectos do processo de integração em curso, ter em atenção de que o actual processo de globalização não compactua com aqueles que não estão ligados às indústrias do conhecimento”, sublinhou o professor que defendeu que a CEDEAO deve apostar em programas e centros de pesquisas que promovam a produção do conhecimento dentro do espaço e continente.

A CEDEAO completa hoje 43 anos de existência. Desde a sua criação pelo Tratado de Lagos, a instituição vem experimentando diversas situações caracterizadas por avanços e recuos no que tange ao seu processo de fortalecimento e consolidação da integração regional.

No âmbito da 1ª Semana da Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO), a Uni-CV promove ainda várias actividades de cariz académico, carácter sócio-recreativo, envolvendo aspectos sociais e culturais dos estados-membros.

Ler mais
Relacionadas

Cabo Verde pretende uma “integração plena” no continente africano para dar conteúdo à sua pertença na sub-região

O presidente da Assembleia Nacional, Jorge Santos, disse que Cabo Verde pretende uma “integração plena” no continente africano, para dar um conteúdo à sua pertença no CEDEAO

Voos directos entre Nigéria e Cabo Verde poderão tornar-se realidade

O novo embaixador da Nigéria em Cabo Verde quer reforçar as relações bilaterais entre Praia e Abuja. E anunciou que os dois países estão já a trabalhar para abrir uma linha aérea directa a ligar os dois estados-membros da CEDEAO.

Cabo Verde atribui derrota para a presidência da CEDEAO a “arranjos políticos”

O presidente cabo-verdiano considerou que, apesar da derrota, Cabo Verde saiu com a dignidade reforçada. A Costa do Marfim foi a escolhida para a ocupar a presidência da CEDEAO.

África Ocidental: Moeda única só depois de 2020

A moeda única na África Ocidental só será uma realidade depois de 2020, contrariamente ao que estava previsto, assumiu hoje, em Niamey, o presidente da Comissão da Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO).

“Cabo Verde estará no ‘top five’ do continente africano”

Ana Barber, presidente da Cabo Verde Tradeinvest, explica as principais vantagens para os investidores apostarem neste país lusófono.
Recomendadas

Como a Indústria 4.0 pode ajudar a criar a fábrica do futuro

A fábrica do futuro é o centro de uma cadeia de distribuição que combina clientes, fornecedores, distribuidores e parceiros com sistemas analíticos avançados. Isso pode levar a uma “produção perfeita” com o mínimo de tempo de inatividade, negligência, desperdício e ineficiência.

Sustentabilidade no investimento: menos risco, mais valor

Reduzir a quantidade de plásticos descartáveis ou viajar de comboio são duas formas de reduzir a nossa pegada ecológica. E no investimento, o que podemos fazer para reforçar a sustentabilidade?
Comentários