Cabrita diz-se empenhado na criação de mecanismo europeu de Proteção Civil

“Há empenho na prevenção e na sensibilização que tornou hoje a proteção civil uma prioridade na sociedade portuguesa. Iremos igualmente dar nota da aposta na especialização e profissionalização do sistema”, adiantou o ministro.

Cristina Bernardo

O ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita, afirmou hoje que irá manifestar o “firme empenho” de Portugal na criação de um mecanismo europeu de resposta a riscos de grandes dimensões no 6.º Fórum Europeu de Proteção Civil.

“Vamos manifestar o nosso firme empenho na criação de um mecanismo europeu de resposta a riscos de grande dimensão, que não são só incêndios florestais, mas que podem ser inundações ou epidemias. Para isso é necessário uma resposta à escala europeia”, disse Eduardo Cabrita em declarações à Agência Lusa.

O Ministro da Administração Interna participa, entre segunda e terça-feira, no 6.º Fórum Europeu de Proteção Civil, que se realiza em Bruxelas, evento público organizado pela Comissão Europeia sobre cooperação em matéria de proteção civil.

Segundo Eduardo Cabrita, a principal prioridade da agenda europeia é uma “rápida concretização do novo mecanismo europeu de proteção civil que foi impulsionado e justificado pelos factos que se verificaram em Portugal no ano passado [incêndios de junho em Pedrogão Grande e de outubro na região Centro]”.

De acordo com o ministro, Portugal tem tido uma “participação muito ativa” no diálogo com a Comissão Europeia, acrescentando que irá dar nota da “profunda transformação” que o país está a desenvolver nas estruturas de proteção civil.

“Há empenho na prevenção e na sensibilização que tornou hoje a proteção civil uma prioridade na sociedade portuguesa. Iremos igualmente dar nota da aposta na especialização e profissionalização do sistema”, adiantou o governante.

Criado em 2003, o Fórum reúne, de dois em dois anos, toda a comunidade europeia da área da proteção civil para a partilha de experiências e para a discussão de novas formas de cooperação entre os Estados Membros.

Na sexta edição, o tema central é “A Proteção Civil num Cenário de Alterações do Risco”, o que irá permitir a reflexão sobre o presente e o futuro do Mecanismo Europeu de Proteção Civil.

Em Bruxelas são esperados este ano cerca de 400 representantes das áreas da proteção civil e da gestão de riscos, entre representantes governamentais, do mundo académico, das autoridades de proteção civil, organizações internacionais, institutos europeus, entre outros.

O Ministro da Administração Interna intervém na Sessão Plenária subordinada ao tema “Trabalhar os setores para melhorar a resiliência climática”, que decorre na terça-feira.

(atualizada)

Ler mais
Recomendadas

Marcelo aprova aumentos de 700 euros para juízes, mas critica fosso salarial face aos polícias e militares

Marcelo Rebelo de Sousa destaca que os juízes, e membros de autoridades reguladoras e de supervisão a entidades públicas empresariais e empresas públicas, passando por outras entidades administrativas, já estão com salários mais elevados do que o primeiro-ministro. O Presidente exige que a desigualdade salarial seja “encarada na próxima legislatura”.

Incêndios florestais caíram 26% este ano face a 2018

“Estamos, até hoje, com 6.800 incêndios desde o início do ano, o que significa que temos um número de incêndios 36% inferior à média dos últimos dez anos. E uma área ardida 42% inferior à média dos últimos dez anos”, sublinhou Eduardo Cabrita.

Proteção Civil tem reservas de combustível para “mais de dois meses”

Apesar de garantir que existem reservas para mais de dois meses, Eduardo Cabrita sublinha que as prioridades têm de ser asseguradas quando se fala numa dificuldade de distribuição.
Comentários